UOL Notícias Notícias
 
05/08/2010 - 11h21

Justiça italiana investiga cessão de apartamento a cunhado de presidente da Câmara

ANSA
ROMA, 5 AGO (ANSA) - A procuradoria de Roma abriu hoje uma investigação sobre a cessão de um apartamento em Monte Carlo por parte da Aliança Nacional (AN) -- que se uniu ao Força Itália em 2009 para dar origem ao governista Povo da Liberdade (PDL) -- no qual viveria um cunhado do presidente da Câmara dos Deputados, Gianfranco Fini.

Jornais locais, entre os quais o Il Giornale, de propriedade da família do primeiro-ministro Silvio Berlusconi, noticiaram que o imóvel foi concedido por um preço muito abaixo do de mercado.

Sobre as insinuações acerca do apartamento onde moraria seu parente Giancarlo Tulliani, o titular da Câmara já anunciou ter apresentado algumas denúncias por difamação. "São bem-vindas todas as investigações que concernem ao patrimônio da AN, ainda que a denúncia seja proveniente de adversários políticos", disse ele.

Os até então aliados Fini e Berlusconi, co-fundadores do PDL, romperam sua aliança na semana passada, quando o conselho diretivo do partido votou pela saída do presidente da Câmara de seu quadro. A decisão foi motivada por atitudes de oposição tomadas pelo deputado, as quais estariam dificultando as ações do governo.

Após isso, Fini criou um novo grupo parlamentar, o Futuro e Liberdade para a Itália (FLI), inicialmente com dez senadores e 33 deputados, o que poderia causar o desequilíbrio entre Legislativo e Executivo com a perda da maioria de Berlusconi no Congresso.

Ontem, o premier enfrentou sua primeira prova depois da ruptura com Fini, ocasião na qual os deputados votaram uma moção de desconfiança contra o vice-ministro de Justiça Giacomo Caliendo. Se o texto tivesse sido aprovado, o que não aconteceu, evidenciaria a perda da maioria do primeiro-ministro e poderia provocar a convocação de eleições antecipadas.

A investigação sobre o apartamento que a imprensa afirma ter sido cedido ao cunhado de Fini foi aberta com base em uma denúncia apresentada à polícia em 27 de julho por Roberto Buonasorte e Marco Di Andrea, dois membros da direita italiana.

A procuradoria já pediu o envio de documentos referentes ao imóvel e iniciou a investigação sobre suspeita de fraude agravada. O imóvel foi doado ao partido por Anna Maria Colleoni, morta em 1999.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    -0,54
    3,265
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h20

    1,36
    64.085,41
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host