UOL Notícias Notícias
 
05/08/2010 - 12h22

Morales pede ao afro-americano Obama que rechace lei anti-imigração do Arizona

ANSA
LA PAZ, 5 AGO (ANSA) - O presidente da Bolívia, Evo Morales, apela à origem afro-americana de seu homólogo norte-americano, Barack Obama, para pedir que ele rechace a lei anti-imigração do Arizona e evite o retorno "dos obscuros dias de perseguição por cor de pele e origem racial" nos Estados Unidos.

Morales anunciou hoje que enviará a Obama uma carta com a solicitação e iniciará uma campanha internacional "em defesa" dos migrantes, tal como fez para que a Organização das Nações Unidas (ONU) aprove uma resolução que reconheça a água como um dos direitos humanos.

O presidente boliviano leu em uma coletiva de imprensa a missiva, na qual recorda que o mandatário dos EUA "é o primeiro afro-americano" que chegou ao cargo político máximo da nação, e que seus pais, assim como milhares de imigrantes, "tiveram que iniciar uma vida em um país que não era deles".

"Não sei o que pensou seu pai, que foi imigrante, se sentiu que não podia viver e trabalhar" em um país que "prega a justiça social, a livre circulação e mercado, e castiga os latino-americanos", que fazem "tanto esforço para o desenvolvimento" dos Estados Unidos, continua a mensagem.

A lei SB1070 entrou em vigor há uma semana, embora parte de seus artigos tenham sido bloqueados pela juíza Susan Bolton. Entre os pontos suspensos estão os mais polêmicos, como o que possibilitaria às autoridades revistarem uma pessoa que pareça suspeita de ser ilegal e o que obrigaria os imigrantes a portarem documentos que comprovassem sua estadia.

A vigência da norma do Arizona "somada à diretiva de retorno voluntário" da Europa, afirma a carta de Morales, coloca "em difícil situação milhares de imigrantes, principalmente latino-americanos".

A diretiva aplicada na União Europeia (UE) prevê o regresso voluntário de imigrantes ilegais, estabelecendo um período máximo de detenção para quem for preso, o qual não poderá exceder seis meses, e introduzindo a proibição de entrada nos países do bloco por até cinco anos para quem for expulso.

O presidente boliviano lembra ainda a Obama que "está em suas mãos evitar que em seu país retornem os obscuros dias de perseguição pela cor de pele e a origem racial".

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h58

    -0,53
    3,128
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h20

    -0,28
    75.389,75
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host