PUBLICIDADE
Topo

Acidente de balsa ocorreu por negligência

08/07/2014 16h24

SEUL, 08 JUL (ANSA) - O Relatório do Conselho de Auditoria e Inspeção da Coreia do Sul responsabilizará também a administração portuária e a Guarda Costeira do país pelo acidente com a balsa Sewol, que causou a morte de 304 pessoas em abril. Por isso, o órgão enviou à Promotoria dados da participação de 11 funcionários do governo em atos de corrupção e pode processar outros 40 trabalhadores públicos que tiveram algum tipo de participação no acidente.   

O resultado da investigação mostrou que a administração portuária concedeu a licença para o barco transportar pessoas normalmente, mesmo sabendo que ele havia sido modificado ilegalmente. Já a Guarda Costeira foi acusada de ter problemas de comunicação com a embarcação, emitindo assim ordens erradas para os tripulantes do barco.   

Ao todo, 476 pessoas estavam a bordo e apenas 172 foram salvas - logo nas primeiras horas do resgate. Vídeos e depoimentos dos sobreviventes mostraram que todos receberam ordens para permanecer onde estavam, mesmo com a balsa claramente inclinada.   

Além das pessoas que trabalham no governo da Coreia, os membros da tripulação - incluindo o capitão - estão sendo julgados por abandonar a embarcação enquanto ela estava afundando e não ter prestado socorro aos passageiros.   

A balsa Sewol saiu do porto de Incheon no dia 15 de abril e deveria chegar, no dia seguinte, à ilha de Jeju, local turístico muito popular da Coreia do Sul. Grande parte dos passageiros eram estudantes da instituição Danwon High School que faziam uma excursão. (ANSA)
Veja mais notícias, fotos e vídeos em www.ansabrasil.com.br.


Internacional