Cardeal próximo a Papa diz que há 'lobby gay' no Vaticano

CIDADE DO VATICANO, 14 JAN (ANSA) - O cardeal hondurenho Oscar Rodríguez Maradiaga, arcebispo de Tegucigalpa e um dos mais estreitos colaboradores do papa Francisco no grupo que estuda a reforma da cúria, afirmou que existe um "lobby gay" dentro do Vaticano. Em uma entrevista ao jornal hondurenho "El Heraldo" sobre a reforma levada adiante pelo Papa argentino, o cardeal respondeu a uma pergunta sobre se o Vaticano tinha sofrido infiltrações da comunidade gay. "Não é só isso, o próprio Papa já disse. Existe um 'lobby'". "Pouco a pouco, Francisco está tentando purificar isso através de várias coisas. Uma delas é entender os homossexuais, e existe uma legislação para atender os gays pastoralmente, mas o que é equivocado nunca poderá ser uma verdade", disse Maradiaga.   

"Quando o Papa fez algumas declarações sobre grupos gays e lésbicos, estes chegaram a considerar que o Papa estava colocando em sua agenda a possibilidade da Igreja aprovar o matrimônio do mesmo sexo. Não, devemos entender que há coisas que podem ser reformadas e outras não. A lei natural não pode ser reformada", defendeu o religioso. De acordo com o cardeal, a Igreja vê "como Deus desenhou o corpo humano, do homem e da mulher, para ser complementado e transmitir a vida". "O contrário disso já não é o plano da criação", ressaltou. Sobre possíveis alterações no direito canônico, o arcebispo disse que não haverá "muitas mudanças". "Não esperamos mudanças na doutrina da Igreja. A reforma recai só sobre a organização da cúria", pontuou. Em 2013, na viagem de regresso a Roma após visitar o Rio de Janeiro para a Jornada Mundial da Juventude (JMJ), o papa Francisco se referiu a um "lobby gay" no Vaticano.   

"Fala-se muito sobre o lobby gay, mas até agora não encontrei ninguém no Vaticano com uma carteira de identidade que diga 'gay'". Se uma pessoa é gay e procura Jesus, e tem boa vontade, quem sou eu para julgá-la? O catecismo diz que não se deve marginalizar essas pessoas, devem ser integradas à sociedade.   

Devemos ser irmão", afirmou o líder católico.   

A declaração do Papa foi manchete de jornais de todo o mundo, pois foi uma das raras vezes em que um Pontífice demonstrou publicamente abertura para que a Igreja acolha pastoralmente homossexuais. Nesta semana, o tema voltou à tona graças à publicação do primeiro livro-entrevista de Francisco, "O nome de Deus é Misericórdia". Em um dos trechos, o Papa diz que o caráter de uma pessoa não é definido pela orientação sexual dela.   

Logo após assumir a Igreja Católica como sucessor de Bento XVI, em 2013, Francisco instituiu uma comissão com nove cardeais para estudar a reforma da cúria. Um de seus maiores objetivos como Papa é alterar algumas estruturas da Igreja Católica. (ANSA)
Veja mais notícias, fotos e vídeos em www.ansabrasil.com.br.


Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos