10 questões para entender o Fórum Mundial de Davos

SÃO PAULO, 19 JAN (ANSA) - Começa nesta quarta-feira (20) a 46ª edição do Fórum Econômico Internacional Mundial, em Davos, na Suíça, com a missão de debater temas econômicos e sociais que preocupam os mercados e os países na atualidade. Segundo a organização, 40 líderes mundiais já confirmaram presença e mais de 2,5 mil empresários, economistas, representantes de organizações internacionais e da sociedade civil vão participar do encontro. O Brasil será representado pelo ministro da Fazenda, Nelson Barbosa.   

Além de debater a desacelaração de economias emergentes e os problemas causados pela queda do preço do petróleo, o encontro também deve debater as questões sobre o fluxo imigratório para a Europa e o medo da ameaça terrorista no mundo.   

Para o presidente do evento, Klaus Schwab, o mundo deve debater a "Quarta Revolução Industrial" até o dia 23 de janeiro. O tema deve permear os debates. Segundo ele, essa nova fase é relacionada "à fusão das tecnologias". Confira 10 pontos importantes sobre o encontro: - Inovações tecnológicas: Como o presidente do evento afirmou, os líderes e as empresas participantes terão que mostrar como as inovações tecnológicas podem ajudar a transformar a vida da sociedade atual e das futuras gerações. - Crise de refugiados: Em 2015, a Europa recebeu mais de um milhão de imigrantes que buscam refúgio no continente para fugir das guerras, dos conflitos e da pobreza extrema. Como lidar com o problema é um dos assuntos que estará na pauta dos líderes mundiais constantemente.   

- Terrorismo e crises regionais: O terrorismo e como combatê-lo deve tomar conta dos debates no Fórum. Isso porque todos os países ocidentais estão na mira de grupos terroristas, especialmente do Estado Islâmico, que tenta implantar um califado e realiza ataques contra os "infiéis". Outros problemas que atingem o Oriente Médio também estarão em pauta. A divisão entre sunitas e xiitas, as crises entre Irã, Arábia Saudita e Israel levarão os líderes a debaterem como resolver uma crise que afeta, também, a economia mundial.   

- Crise nos países emergentes e demora na recuperação da economia: Mais forte do que em 2015, a crise nos países emergentes - incluindo o Brasil - e a demora na retomada econômica na Europa serão debatidos intensamente. Como estimular o crescimento em um momento de crise internacional e como gerar renda e emprego será um dos temas centrais do encontro.   

- Petróleo: Um dos temas abordados será a grande desvalorização do preço do petróleo. Para se ter uma ideia, a commodity fechou o ano de 2014 acima dos US$ 100 o barril e despencou para praticamente a metade em 2015 (cerca de US$ 57 o barril). No início deste ano, o preço já está abaixo dos US$ 30.   

- Diminuição das diferenças sociais e inclusão: Um dos pontos que deve ser debatido é como diminuir as diferenças sociais e econômicas na população mundial, especialmente após um estudo da Oxfam, divulgado nesta segunda-feira (18), mostrar que 1% da população tem uma riqueza superior aos outros 99% juntos.   

- Futuro do sistema financeiro global: O Fórum irá propor soluções para evitar a vulnerabilidade do sistema financeiro mundial e como ele pode reforçar suas contribuições "para sustentar o crescimento econômico e o desenvolvimento social".   

- Meio-ambiente: Como crescer respeitando os recursos naturais e sem degradar ainda mais a natureza? Esse também será um dos debates no Fórum - e que com certeza atrairá a atenção da mídia, já que um daqueles que farão discursos sobre o tema será o ator e ativista Leonardo Di Caprio. Os debates também deverão focar no compromisso assumido no acordo da Conferência das Nações Unidas sobre o Clima, assinado em dezembro por lideranças do mundo todo. - Mercado de trabalho: Toda a revolução tecnológica deve afetar diretamente o modo de produção da sociedade e, por consequência, os empregos e as formas que as empresas têm seu modelo de negócio. A utilização de robôs em linhas de produção e como isso pode afetar os empregos do futuro estarão na pauta. - Saúde: Segundo o Fórum, o setor da saúde precisa de uma "transformação", já que a tecnologia já permitiu avanços incríveis para cura de doenças e tratamentos, mas eles ainda estão longe da maior parte da população mundial por seus altos custos. A "Quarta Revolução Industrial" na área poderá diminuir custos e "apenas tratamento relevantes será prescritos". (ANSA)
Veja mais notícias, fotos e vídeos em www.ansabrasil.com.br.


Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos