No TPI, ex-presidente da Costa do Marfim se diz inocente

HAIA, 29 JAN (ANSA) - O ex-presidente da Costa do Marfim Laurent Gbagbo se declarou "inocente" perante os juízes do Tribunal Penal Internacional (TPI) em Haia, na Holanda.   

O ex-líder político é acusado por quatro crimes contra à humanidade, incluindo estupros, assassinatos e perseguições políticas cometidas durante uma guerra civil iniciada em 2011 e que terminou com mais de três mil mortes. Além de Gbagbo, o ex-chefe das milícias pró-governo Charles Blé Goude também está respondendo por seus crimes no Tribunal.   

O ex-presidente marfinense é o primeiro a ter ocupado o mais alto posto da política de um país a ser julgado pelo TPI. O processo foi aberto após Gbagbo não ter saído do poder ao ser derrotado nas urnas em 2010 e ter iniciado uma guerra civil entre defensores e opositores de seu governo. O conflito terminou após a França, a colonizadora do país, ter interferido na guerra interna.   

Durante sua fala, a promotora Fatou Besounda afirmou que o ex-líder político agiu, especificamente, contra muçulmanos e outras pequenas etnias que teriam apoiado seu rival, Alassane Ouattara. "A Costa do Marfim sucumbiu ao caos e foi sujeita a atos indescritíveis de violência. Gbagbo jamais cogitou deixar o poder", destacou Besounda.   

A esposa do marfinense já foi condenada a 20 anos de prisão por sua participação e pela incitação dos confrontos na Costa do Marfim. (ANSA)
Veja mais notícias, fotos e vídeos em www.ansabrasil.com.br.


Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos