Alvo de crise, Banco da Etruria é declarado insolvente

ROMA, 11 FEV (ANSA) - O Tribunal de Arezzo declarou nesta quinta-feira (11) o estado de insolvência do Banco Popular da Etruria, após decisão do colégio falimentar ao qual havia sido submetido. Assim como o Etruria, outras três instituições financeiras populares - Marche, CariChieti e Cassa Ferrari - também devem seguir o mesmo caminho após a falência.   

Agora, o caso será encaminhado para o procurador da República da cidade toscana, Roberto Rossi, que avaliará uma eventual abertura de investigação por falência fraudulenta. Segundo denúncias, milhões de euros podem ter sido dados como prêmios a diretores e empresários considerados "próximos" à entidade poucos meses antes da derrocada da instituição.   

O banco esteve no meio de uma crise política que gerou duas moções de desconfiança contra o governo do primeiro-ministro, Matteo Renzi, e contra a ministra das Relações Constitucionais, Maria Elena Boschi. Isso porque o pai da ministra, Pier Luigi, trabalhou por oito meses no local - antes da falência ser declarada. A própria Boschi era acionista da instituição financeira.   

Segundo a oposição, o fato da ministra estar no governo no caso da intervenção contra o Etruria gerava um "conflito de interesses" na batalha jurídica. Porém, ambas as moções foram derrubadas em votação no Congresso.   

A entidade ainda ficou muito conhecida na Itália porque o aposentado Luigino D'Angelo, 68 anos, suicidou-se após perder todas as economias - cerca de 100 mil euros - com a falência do banco.   

O anúncio do tribunal foi feito horas depois do governo de Renzi ter firmado um decreto-lei que dá novas regulamentações ao setor bancário da Itália. O pagamento de indenizações para aqueles que fizeram depósitos ou investiram em instituições que faliram - ponto bastante polêmico após os problemas com os quatro bancos populares - não foi incluído no projeto.   

Segundo fontes, a medida não foi incluída pelo temor do governo de ter que atrasar ainda mais a nova lei, tendo que submetê-la ao Parlamento. De fato, a medida legisla mais sobre as cooperativas de créditos italianas - cerca de 370 instituições - que agora responderão a uma entidade de gerenciamento única, a Bancos Italianos de Crédito Cooperativo (BCC, na sigla em italiano).   

"Não houve nenhum adiamento ou atraso, mas a escolha foi não modificar leis já ativas. O nosso sistema bancário é mais sólido que outros países europeus e agora eu espero um incremento sobre os populares", disse o premier sobre a não inclusão da cláusula de reembolso.   

De acordo com Renzi, as "medidas para pagamento estão substancialmente prontas e devem ser divulgadas nos próximos dias".   

- Bolsas caem na Europa: A queda nas Bolsas asiáticas arrastou os pregões na Europa nesta quinta-feira. Milão teve forte queda de 4,75%, assim como houve retração em Atenas (-4,93%), Madri (-3,7%), Paris (-3,28%), Frankfurt (-2,09%) e Londres (-1,85%).   

O fraco desempenho de hoje tem, novamente, como ponto principal a queda no preço do barril de petróleo - negociado abaixo dos US$ 30. (ANSA)
Veja mais notícias, fotos e vídeos em www.ansabrasil.com.br.


Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos