EUA aprovam novas sanções contra a Coreia do Norte

NOVA YORK, 11 FEV (ANSA) - Por 96 votos a zero, o Senado dos Estados Unidos aprovou um novo pacote de sanções econômicas contra a Coreia do Norte na noite desta quarta-feira (10).   

A medida foi tomada após os testes de Pyongyang com o lançamento de um suposto foguete no último domingo (7), considerado uma "provocação" do regime ditatorial de Kim Jong-un. A comunidade internacional afirma que o teste foi, na verdade, os preparativos para o lançamento de um míssil contra os vizinhos Coreia do Sul e Japão.   

O presidente do Comitê de Relações Exteriores do Senado, o republicano Robert Phillips Corker, comemorou a aprovação dizendo que "quando temos supostos 'parceiros' no Conselho de Segurança da ONU que não estão dispostos a tomar medidas, fica ainda mais claro que esta instituição tem que ser pró-ativa".   

A fala do político é uma clara referência à China, única parceira do regime norte-coreano. Isso porque um novo pacote de sanções da ONU está sendo "barrada" pelos chineses durante as votações ocorridas na entidade.   

A lei aprovada ontem pelos senadores é ainda mais dura do que a autorizada pela Câmara dos Representantes no mês passado, após supostos testes com uma bomba de hidrogênio.   

As novas sanções têm como objetivo limitar a capacidade de Pyongyang de obter os fundos necessários para desenvolver seu programa nuclear e seu sistema de lançamento de mísseis. Segundo as agências de Inteligência norte-americanas, os norte-coreanos terão reativado uma usina nuclear e poderia ter a capacidade de, em poucos meses ou até semanas, de ter plutônio suficiente para construir uma bomba atômica.   

As mesmas sanções também foram adotadas pelo Japão nesta quinta-feira (11).   

- Seul suspende operações em Kaesong: A Coreia do Sul ordenou a saída de todos os seus funcionários e a suspensão dos trabalhos no complexo industrial de Kaesong como resposta aos testes nucleares e de mísseis de Pyongyang.   

O local abriga mais de 100 empresas sul-coreanas, mas fica do lado norte da fronteira. Criado em 2004, o complexo é o primeiro símbolo de reconciliação das duas nações.   

Ao todo, Kaesong abriha 124 empresas e possui quase 53 mil norte-coreanos como empregados. (ANSA)
Veja mais notícias, fotos e vídeos em www.ansabrasil.com.br.


Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos