UE alerta que crise humanitária na Grécia atingiu 'ápice'

BRUXELAS, 11 MAR (ANSA) - O comissário europeu para Imigração, Dimitris Avramopoulos, afirmou nesta sexta-feira (11) que a crise humanitária na Grécia por causa da imigração está no "ápice".   

"A crise humanitária atingiu o seu ápice na Grécia. Os Estados-membros precisam aceitar com urgência os realocamentos.   

É o momento de agir", postou em sua conta no Twitter em referência ao sistema de cotas adotado pelo bloco europeu.   

Apesar de ter sido assinado no fim do ano passado, o realocamento dos milhares de imigrantes irregulares que chegaram à Europa é lento e burocrático. Enquanto isso, mais de 12 mil deslocados estão barrados no território grego após o fechamento da "rota dos Balcãs" no último dia 9.   

O caminho era o mais utilizado pelos imigrantes que chegam à Grécia através do Mar Mediterrâneo. A pé, os solicitantes de refúgio passam pela Macedônia, Sérvia, Hungria, Croácia e Eslovênia para chegar à Áustria ou a Alemanha.   

A situação, além de ser problemática para os gregos, também começa a causar preocupações na Itália já que o fim do inverno também marca o fim do pior período de travessias em direção ao sul do país. Com isso, as autoridades devem voltar a receber um grande fluxo de imigrantes.   

Para ajudar na verificação de fronteiras, daqueles que optam por vir a pé a partir da Albânia, a partir do dia 15 de março, mais de 20 policiais serão enviados para o país vizinho para ajudar no controle de entrada.   

- Alemanha declara apoio à Itália: O ministro do Interior da Alemanha, Thomas De Maizère, afirmou à ANSA que seu governo está ao lado da Itália para propor uma alteração no Regulamento de Dublin.   

"O meu colega italiano e eu acabamos de apresentar à Comissão [Europeia] uma iniciativa comum bilateral para fazer uma reforma ambiciosa nas regras de Dublin. A colaboração com a Itália é muito boa", destacou.   

Implantado em 1997, o Regulamento de Dublin estabelece que o responsável por analisar pedidos de refúgio é o Estado-membro no qual o imigrante desembarcar primeiro, peso que hoje recai principalmente sobre Grécia e Itália. No entanto, na atual crise imigratória, muitas pessoas evitam ser registradas ao entrar no bloco porque querem pedir proteção de nações mais ricas, como Alemanha, Áustria e Reino Unido. (ANSA)
Veja mais notícias, fotos e vídeos em www.ansabrasil.com.br.


Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos