Premier italiano ataca Viena e aumenta tensão com a Áustria

ROMA, 15 ABR (ANSA) - O primeiro-ministro italiano, Matteo Renzi, aumentou o tom contra o governo austríaco por causa da construção de uma barreira contra imigrantes na fronteira com a Itália e disse que seu país "não sofre uma invasão" para que uma medida extrema seja tomada.   

"Há um problema que atinge o nosso país, mas não há uma invasão em curso. Estão ocorrendo iniciativas, mas não estamos vivendo em uma invasão", disse o premier nesta sexta-feira (15).   

A afirmação de Renzi tem a ver com a polêmica que está ocorrendo durante as duas últimas semanas por ministros austríacos, que ameaçaram "fechar a fronteira" no ponto de passagem de Brennero para evitar um fluxo intenso de estrangeiros ilegais.   

Além disso, Viena ordenou a construção de uma barreira na região - e também na Hungria - para controlar a passagem de imigrantes porque, conforme seus cálculos, com o fechamento da rota imigratória na Grécia, haverá o dobro de estrangeiros entrando na Europa pela Itália.   

Para o líder italiano, se a Áustria violar as regras "nós faremos nos ouvir". "Aos amigos austríacos, digo que Brennero não é apenas um túnel para ligar os nossos países. Brennero é um lugar de trabalho para muitas empresas, é um símbolo, e não fingeremos que não vimos se alguém violar as regras. Brennero não pode virar objeto de competição", ressaltou.   

Sobre os números de deslocados, Renzi disse que eles são "apenas um pouco mais altos do que registramos no ano passado". Segundo o premier, sua postura não é para "minimizar" os problemas da crise imigratória, mas sim enviar "uma mensagem de seriedade".   

"É um grande problema [a imigração] e temos ideias claras de como enfrentá-lo. A União Europeia precisa se fazer portadora de uma estratégia para ajudar os países africanos e bloquear as viagens de morte", destacou.   

A postura austríaca tem gerado críticas também da União Europeia, que informou que, se confirmada, a medida viola as normas do Tratado de Schengen (de livre circulação de pessoas) e coloca em risco todo o bloco econômico.   

- Renzi elogia o Papa: Durante a entrevista, Renzi aproveitou para elogiar a visita do papa Francisco à ilha grega de Lesbos, que ocorre neste sábado (16). "A viagem do Papa é um gesto pelo qual nós precisamos agradecer. Um gesto muito simples, mas muito forte e a primeira coisa sobre isso é a gratidão. O Papa já pediu mais de uma vez para a União Europeia um papel diferente", ressaltou. (ANSA)
Veja mais notícias, fotos e vídeos em www.ansabrasil.com.br.


Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos