Polícia descarta hipótese de suicídio do cantor Prince

WASHINGTON, 22 ABR (ANSA) - O xerife do condado de Carver (Minnesota), Jim Olson, descartou a possibilidade de suicídio ou de morte violenta do cantor norte-americano Prince, encontrado sem vida nesta quinta-feira (21).   


"Não há sinais de ferimentos no corpo de Prince e nenhum sinal que indique que o caso se trate de suicídio", declarou Olson durante a entrevista coletiva.   


Segundo o xerife, a autópsia no corpo do artista demorou quatro horas e o corpo já foi liberado para a família. Os resultados finais dos exames - tanto físicos como toxicológicos - serão divulgados "em algumas semanas".   


De acordo com o policial, o corpo de Prince, 57 anos, foi encontrado em um elevador de sua mansão na manhã de quinta-feira e não havia ninguém na casa com ele. A chamada de emergência para as equipes médicas foi feita por funcionários da residência que não localizavam o cantor.   


Na coletiva, Olson ainda disse que a última vez que o artista foi visto com vida foi na quarta-feira (20), por volta das 20h, de acordo com o depoimento de um amigo. O representante não quis comentar sobre os rumores de que a morte do astro poderia ter sido causada por uma overdose de drogas ou de remédios e disse que é cedo para determinar o que de fato ocorreu.   


Segundo o portal "TMZ", que foi o primeiro a informar a morte de Prince nesta quinta, a suposta gripe que fez o cantor ir para um hospital era falsa. De acordo com o portal, o gênio da música foi internado após uma overdose causada pelo consumo do remédio analgésico "Percocet". A informação não foi confirmada pelas autoridades nem pelos representantes do artista. (ANSA)
Veja mais notícias, fotos e vídeos em www.ansabrasil.com.br.



Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos