Após protestos, Macri rebate críticas de sindicatos

SÃO PAULO, 03 MAI (ANSA) - Após os protestos contra o governo argentino na última sexta-feira (29), que reuniram milhares de pessoas em Buenos Aires, o presidente do país, Mauricio Macri, afirmou nesta segunda-feira (02) que seu governo está gerando empregos de "qualidade" e defendeu as medidas que diminuem as taxas de exportação como geradoras de emprego.   

Segundo Macri, essas mudanças tributárias - muito questionadas pelos opositores - vão favorecer todos os setores da economia argentina e não a determinados grupos.   

"Não entendo quando dizem que isso é para beneficiar um setor.   

Será ignorância ou má fé? Os impostos afetam qualquer tipo de exportação, sejam industriais, minerais ou do campo e que geram emprego", disse Macri em evento.   

A fala foi direcionada contra o presidente da Confederação Geral do Trabalho (CGT), Hugo Moyano, que acusou o mandatário de atuar em prol de apenas um setor.   

Além da questão tributária, os protestos de sexta também criticavam o fato de Macri ter anunciado que vetaria, caso fosse aprovada, uma lei que proíbe demissões no país e que está em análise na Câmara dos Deputados. A medida prevê uma suspensão de 180 dias nas demissões do país como forma de evitar a perda de empregos no país.   

Nesta terça-feira (03), Macri também se defendeu sobre essa questão. "Não posso apoiar algo que estou convencido de que fará mal para os argentinos. A arbitrariedade não funciona. Não há demissões em massa no país, mas sim um estancamento na criação de empregos", ressaltou o presidente argentino.   

Do ponto de vista dos sindicatos, a situação é "grave". Por causa disso, as maiores centrais sindicais do país se uniram - fato que não ocorria durante os governos dos Kirchner - e ameaçaram fazer uma greve geral conjunta caso Macri vete a lei sobre demissões. (ANSA)
Veja mais notícias, fotos e vídeos em www.ansabrasil.com.br.


Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos