Suíça força muçulmanos a apertarem mãos de professores

BERNA, 27 MAI (ANSA) - Agora estudantes muçulmanos que vivem na Suíça serão obrigados a apertar as mãos de seus professores após a aula em sinal de respeito. Caso contrário, os pais dos alunos poderão pagar uma multa de até 5 mil francos suíços (cerca de R$ 18 mil).   

O hábito de apertar as mãos dos professores antes e depois das aulas faz parte da cultura local e é considerado um "direito" do docente. No entanto, o islamismo não permite que homens toquem em mulheres que não façam parte de seu círculo familiar. Foi a partir dessa restrição religiosa que surgiu o conflito.   

Após muita polêmica, dois adolescentes muçulmanos foram liberados de respeitar essa tradição em relação a professoras.   

Porém a exceção provocou uma comoção nacional, e agora se os meninos continuarem evitando o "aperto de mão", seus pais serão multados. "Apertar a mão faz parte da nossa cultura", justificou a ministra da Justiça da Suíça, Simonetta Sommaruga.   

Alguns cidadãos muçulmanos afirmaram que não há motivos para evitar o contato com as docentes e pediram para que as autoridades não cedessem à pressão de "extremistas". Por outro lado, organizações islâmicas declararam que é terminantemente proibido esse tipo de contato entre um homem e uma mulher.   

Por conta do caso, o processo de cidadania da família dos dois adolescentes foi interrompido, e o escritório de migração de Basileia disse que estava buscando mais informações sobre as circunstâncias em que o pedido de refúgio do pai dos meninos foi aprovado. (ANSA)
Veja mais notícias, fotos e vídeos em www.ansabrasil.com.br.


Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos