Egito condena jornalistas da Al Jazeera à morte

CAIRO, 20 JUN (ANSA) - Uma corte do Egito sentenciou à morte seis pessoas, entre elas dois jornalistas da rede Al Jazeera, todos acusados por espionagem. De acordo com as autoridades locais, o grupo foi condenado no último sábado (18) pela acusação de fornecer dados sigilosos do Estado ao Qatar. Os jornalistas da Al Jazeera, a maior rede de TV do mundo árabe, são o diretor Ibrahim Mohammed Helal e o produtor Alaa Omar Mohammed Sablan. Além deles, foi condenado à morte Asmaa al-Khateib, que trabalhava para o grupo Rasd, o qual tem ligações com a Irmandade Muçulmana. Os vazamentos teriam ocorrido durante o governo do ex-presidente Mohamed Morsi, deposto em julho de 2013 e também condenado a 25 anos de prisão. O atual governo do Egito, liderado pelo presidente Abdel Fattah al Sisi, afirma que a Al-Jazeera faz coberturas tendenciosas em alguns países do Oriente Médio e defende certos grupos islâmicos. (ANSA)
Veja mais notícias, fotos e vídeos em www.ansabrasil.com.br.


Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos