Em resgate inédito no Polo Sul, avião deixa base dos EUA

ROMA, 22 JUN (ANSA) - Partiu nesta quarta-feira, dia 22, o avião bimotor com dois pacientes da base de pesquisa norte-americana de Amundsen-Scott, em meio a mais perigosa missão de resgate já realizada pelos Estados Unidos no Polo Sul. A aeronave segue agora para a base britânica de Rothera, ainda na Antártida, antes de seguir para a América do Norte, como confirmou à ANSA Peter West, porta-voz da Fundação Nacional da Ciência (NSF, na sigla em inglês), que administra a instituição de pesquisa. Nunca uma operação de resgate na Antártida foi realizada neste período do ano, quando o frio e a escuridão estão em seu ápice, com temperaturas que chegam a - 80ºC. Uma evacuação nesta época é tão perigosa que, em 1999, quando uma médica descobriu um nódulo cancerígeno em seus seios, realizou o próprio tratamento de quimioterapia no local até que pudesse voltar aos Estados Unidos, quase seis meses mais tarde. A NSF mantém sigilo absoluto sobre a natureza dos problemas que afetaram ao menos dois membros da equipe de logística. Um acidente é atualmente a hipótese mais provável. Tendo excluído a possibilidade de uma infecção, pois germes não podem sobreviver em temperaturas tão baixas, um dos únicos problemas sérios que podem ter envolvido pelo menos duas pessoas é um acidente, como um trauma que tenha causados um grande ferimento ou talvez uma queimadura grave. Não pode ser excluída a possibilidade de um problema psicológico, considerando as duras condições de isolamento em que se vive em uma base da Antártida durante o inverno.   

Antonietta Ravesan, que atuou como cirurgiã na base ítalo-francesa de Concordia em 2014 e 2015, explicou, em entrevista à ANSA, que antes de partir para uma missão à Antártica "toda equipe passa por um controle muito rigoroso para detectar problemas físicos ou psicológicos".   

"Para pedir uma missão de resgate em pleno inverno, deve ter acontecido um problema de gravidade extrema", acrescentou.   

Após deixar Rothera na última segunda-feira, dia 20, a aeronave chegou ontem a Amundsen-Scott, depois de cerca de dez horas de voo. A distância entre as bases é de quase 2,5 mil quilômetros e a temperatura era de -58ºC.   

Atualmente, 48 pessoas estão baseadas em Amundsen-Scott, que funciona como uma pequena cidade, realizando as mais diversas atividades. (ANSA)
Veja mais notícias, fotos e vídeos em www.ansabrasil.com.br.


Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos