Itália recupera barco da pior tragédia do mar Mediterrâneo

CATÂNIA, 29 JUN (ANSA) - Foi recuperado perto da costa da Líbia o barco pesqueiro que naufragou em 18 de abril de 2015 e protagonizou a pior tragédia com imigrantes já registrada no Mediterrâneo, com cerca de 700 mortos.   

A embarcação foi retirada do fundo do mar na última segunda-feira (27) por meio de uma espécie de guincho instalada no navio italiano Ievoli Ivory. A operação foi acompanhada pela Marinha Militar de Roma e por uma equipe do Corpo de Bombeiros, que deve realizar a primeira inspeção nos destroços.   

O barco será transportado para o Porto de Augusta, na Sicília, onde ficará dentro de uma estrutura refrigerada com 30 metros de comprimento e 20 de largura. Lá serão iniciadas as operações de recuperação dos restos mortais ainda presentes na embarcação.   

Não se sabe exatamente quantas pessoas morreram na tragédia, mas o número de 700 vítimas é baseado em relatos de imigrantes que sobreviveram ao naufrágio. O barco clandestino havia partido da Líbia, país que está a menos de 300 km de distância da Itália por água.   

Embora episódios do tipo sejam recorrentes no Mediterrâneo, as dimensões do desastre de 18 de abril de 2015 inflamaram o debate sobre a crise migratória e jogaram luz sobre a incapacidade da União Europeia de enfrentar esse fenômeno com eficácia.   

A rota entre a África e a Itália é considerada a mais mortal do mundo pela Organização Internacional para as Migrações (OIM).   

Apenas em 2016, 2,4 mil pessoas morreram tentando completar a travessia. (ANSA)
Veja mais notícias, fotos e vídeos em www.ansabrasil.com.br.


Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos