Polícia identifica mandante de massacre em Bangladesh

ROMA, 01 AGO (ANSA) - A polícia de Bangladesh anunciou neste domingo (31) que identificou a "mente" por trás do massacre de 20 pessoas, entre elas, nove italianos, no restaurante Holey Artisan, em Daca, no dia 2 de julho. Trata-se do bengalês-canadense Tamim Chowdhury, que tem cerca de 30 anos, e que voltou a morar em Bangladesh há três anos. O homem está sendo procurado. A ação, que iniciou na noite de sexta-feira (01) e terminou no amanhecer do sábado, foi realizada por cinco extremistas. De acordo com as autoridades locais, Chowdhury é o líder e o principal financiador de um grupo extremista bengalês chamado de "Jamaat-ul-Mujahideen Bangladesh (JMJ)". Fundado em 1998, o grupo é considerado ilegal pelo governo de Daca há cerca de 10 anos e o seu atual líder teria se juntado a eles em 2005. O bengalês seria ainda responsável por uma parceria entre o JMJ e os terroristas do Estado Islâmico (EI, ex-Isis). O EI assumiu a autoria da ação, mas as autoridades sempre negaram que os jihadistas tivesse sido realizada por eles. O nome de Chowdhury foi identificado após uma ação da polícia local, que terminou com a morte de nove extremistas, há cerca de cinco dias.   

Além do massacre no restaurante, o homem ainda seria o mandante de outro ataque no país, no dia 7 de julho, que deixou dois policiais mortos em um templo. "Chowdhury foi o mandante dos dois atentados. Nós lançamos uma caça ao homem, que acreditamos ainda estar em Bangladesh desde quando voltou do Canadá, há três anos", disse um investigador ligado ao caso que pediu anonimato.   

(ANSA)
Veja mais notícias, fotos e vídeos em www.ansabrasil.com.br.


Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos