Papa Francisco escreveu carta de apoio a Dilma, diz Boff

Por Beatriz Farrugia SÃO PAULO, 2 AGO (ANSA) - O papa Francisco escreveu uma carta para a presidente afastada, Dilma Rousseff, para demonstrar seu "apoio" em relação ao processo de impeachment, de acordo com fontes citadas pelo teólogo Leonardo Boff. "De fonte extremamente fidedigna, sabe-se que o papa Francisco escreu uma carta à Presidenta Dilma Roussef", disse Boff em seu perfil oficial no Twitter, em mensagem postada na noite desta terça-feira (2). Procurado pela ANSA, o teólogo não concedeu entrevista, mas sua esposa, Márcia Monteiro da Silva Miranda, confirmou que Boff ficou sabendo da carta através de fontes dos bastidores e que a missiva teria sido entregue a Dilma recentemente, após a abertura do processo de impeachment.   


Boff, que é próximo ao papa Francisco e inclusive contribuiu para a encíclica "Laudato Si" com seus livros sobre ecologia, é teólogo, escritor e expoente da Teologia da Libertação. O Vaticano, no entanto, nunca se pronunciou oficialmente sobre o processo de impeachment no Brasil. Apenas em 11 de maio, dia em que o Senado votou pelo afastamento de Dilma, o Papa fez um comentário durante a audiência geral, na Praça São Pedro, dizendo que rezava pela "harmonia" e "paz" neste "momento de dificuldade" do país. Dilma se reuniu com o Papa em 2013, quando Francisco visitou o Brasil para a Jornada Mundial da Juventude (JMJ), no Rio de Janeiro, em sua primeira viagem internacional. Em fevereiro do ano seguinte, a petista esteve no Vaticano e convidou o líder católico para a Copa do Mundo, durante uma viagem pela Itália para participar da cerimônia que oficializou o arcebispo Dom Orani Tempesta como cardeal. No último mês de maio, Dilma declarou que estava disposta a se encontrar novamente com Papa durante seu período de afastamento pelo impeachment para se defender das acusações.   


Perguntada pela ANSA sobre uma eventual reunião com o Pontífice argentino, a petista respondeu: "Você pode estar seguro de que eu aceitaria falar com o Papa. Aceitaria porque tenho uma imensa admiração pelo papa Francisco", disse a mandatária durante uma entrevista a jornalistas da imprensa estrangeira no Palácio da Alvorada, em Brasília. Também em maio, o Papa recebeu em uma audiência no Vaticano a atriz Letícia Sabatella, que entregou ao Pontífice um documento de apoio à defesa de Dilma redigido pelo advogado Marcello Lavenére, membro da Comissão Brasileira de Justiça e Paz da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB).   


Nascido na província de Buenos Aires, na Argentina, Jorge Mario Bergoglio tem ligação estreita com movimentos de defesa dos direitos humanos na América Latina desde antes de se tornar Papa. (ANSA)
Veja mais notícias, fotos e vídeos em www.ansabrasil.com.br.



Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos