Renzi passa por SP e se reúne com comunidade italiana

SÃO PAULO, 4 AGO (ANSA) - O premier da Itália, Matteo Renzi, que se encontra no Brasil para participar da Abertura dos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, fará nesta tarde uma pequena passagem por São Paulo para se encontrar com uma das maiores comunidades italianas no país.   


O premier pode aproveitar a ocasião para participar da campanha pelas reformas constitucionais do governo, que serão votadas em referendo no final do ano. Entre outras coisas, o projeto acaba com o bicameralismo paritário na Itália e prevê a redução dos poderes do Senado, mas para virar lei precisará ser chancelado pelo povo. Em caso de derrota, Renzi já prometeu deixar o poder.   


Em entrevista à ANSA Brasil, o deputado ítalo-brasileiro Fabio Porta disse que o referendo se trata de uma "grande oportunidade para a Itália modernizar" sua Constituição, que "continuará fiel aos seus princípios básicos, mas será adequada à sociedade moderna", melhorando seu sistema de funcionamento e agilizando a as atividades do Parlamento. Além disso, teremos "uma importante diminuição do número de parlamentares e no custo da política".   


O presidente da Câmara Ítalo-brasileira de Comércio, Edoardo Pollastri, que lidera o comitê criado em São Paulo para fazer campanha pela aprovação do referendo, também estará presente no encontro. Porta, que votará a favor da aprovação da reforma, disse também estar fazendo campanha em diversas cidades brasileira pelo "Sim", assim como estar explicando as motivações para os italianos no Brasil e na América do Sul.   


Sobre a visita de Renzi ao Brasil, Porta lembra que é sua sétima viagem à América Latina em menos de um ano "e mostra um grande interesse por esta parte do mundo". Ele não só participará da Abertura dos Jogos Olímpicos, como fez questão de encontrar a comunidade italiana no país. Uma atenção muito grande".   


A deputada ítalo-brasileira Renata Bueno, que participará da visita de Renzi, também é a favor do "Sim".   


"Durante dois anos debatemos e aprovamos tudo no Parlamento, tanto em Câmara quanto no Senado, como requer a lei", apontou, acrescentando que, mesmo com a aprovação, Renzi quis realizar um referendo "para confirmar a vontade do povo".   


"Estando no Brasil e visitando a comunidade italiana, não tenho dúvidas de que ele não perderia a oportunidade para discutir a questão", apontou Bueno.   


A deputada ainda lembra que são milhares de votos de italianos residentes na América Latina. Por isso, ela conversou recentemente com a ministra das Relações Institucionais, Maria Elena Boschi, sobre a necessidade de reforçar a presença no Brasil "para transmitir a importância desta reforma aqui".   


"O governo de Renzi gira em torno disso. Ele foi nomeado premier justamente para fazer essas reformas", concluiu. A medida tem tanta importância para o líder do governo italiano que ele anunciou que desistirá da política caso o projeto seja rejeitado pelos cidadãos. (ANSA)
Veja mais notícias, fotos e vídeos em www.ansabrasil.com.br.



Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos