Após racismo em 2012, judoca Rafaela Silva leva ouro no Rio

RIO DE JANEIRO, 08 AGO (ANSA) - Quatro anos depois de ter sido vítima de racismo nos Jogos Olímpicos de Londres, a judoca Rafaela Silva conquistou a medalha de ouro nas Olimpíadas do Rio de Janeiro, a primeira do Brasil em 2016.   


Rafaela bateu a mongol Sumiya Dorjsuren na categoria até 57 kg e superou o trauma da eliminação precoce em 2012. Na ocasião, ela foi desclassificada por pegar na perna da húngara Hedvig Karakas, um movimento proibido desde 2008.   


Nas redes sociais, internautas a chamaram de "macaca" e disseram que seu lugar era "na jaula". Rafaela respondeu e bateu-boca com usuários do Twitter, pedindo desculpas mais tarde. Cria da Cidade de Deus, uma das mais famosas favelas do Rio de Janeiro, a judoca de 24 anos foi campeã mundial em 2013 e vice em 2011 e tem duas medalhas pan-americanas.   


Faltava apenas o ouro olímpico, que coroa uma carreira marcada pela superação. "Depois de Londres, eu não queria ter tido aquele sofrimento, que todo mundo me criticou, dizendo que judô não era para mim, e agora eu sou campeã na minha casa", disse Rafaela, bastante emocionada, à emissora "Sportv".   


Em seu caminho no Rio, ela superou a alemã Miryam Roper, a sul-coreana Jandi Kim, a húngara Hedvig Karakas e a romena Corina Caprioriu. Ela é apenas a segunda mulher a ganhar o ouro pelo judô brasileiro, esporte mais vitorioso do país em Jogos Olímpicos. A primeira foi Sarah Menezes, campeã em Londres 2012 na categoria até 48 kg. (ANSA)
Veja mais notícias, fotos e vídeos em www.ansabrasil.com.br.



Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos