Em caso Nisman, Justiça investigará telefonemas de Kirchner

BUENOS AIRES, 11 AGO (ANSA) - A Justiça da Argentina ordenou a investigação dos registros telefônicos da ex-presidente Cristina Kirchner, assim como de diversos aliados, no âmbito das investigações sobre a morte do promotor Alberto Nisman.   

O magistrado foi achado morto dias após, em janeiro de 2015, acusar a então líder de "decidir, negociar e organizar um plano de impunidade e acobertar os foragidos iranianos" acusados pelo atentado contra Associação Mutual Israelita Argentina (Amia), que deixou 85 mortos em 1994, "com o objetivo de fabricar a inocência do Irã". A juíza Fabiana Palmaghini pediu a identificação de quais telefones -- celulares e fixos -- foram usados por ela, assim como os registros das ligações realizadas nos dias antes e depois da morte. A medida foi ordenada a pedido da mãe da vítima, Sara Garfunkel, alegando que faltam informações nos registros de entrada e saída da residência oficial de Olivos na época do crime.   

Com as novas informações, deve ser feito o cruzamento de dados.   

Cristina já está envolvida em uma investigação por fraude, suposta lavagem de dinheiro e muitos a acusam de enriquecimento ilícito enquanto esteve na Presidência. Ela diz estar sendo perseguida pelo governo do rival Mauricio Macri. (ANSA)
Veja mais notícias, fotos e vídeos em www.ansabrasil.com.br.


Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos