ONU admite responsabilidade por surto de cólera no Haiti

NOVA YORK, 18 AGO (ANSA) - Cerca de seis anos após a epidemia de cólera que matou milhares de pessoas no Haiti, pela primeira vez as Nações Unidas (ONU) reconheceram seu envolvimento involuntário na disseminação do surto. Em nota, representantes do secretário-geral da organização, Ban Ki-moon, explicaram que "no ano passado, as Nações Unidas se deram conta de que precisam fazer muito mais a respeito de seu envolvimento desde o início da epidemia e do sofrimento das pessoas afetadas pelo cólera".   

Ainda segundo Farhan Haq, uma resposta será elaborada nos próximos meses.   

A declaração foi feita após, no começo deste mês, um relatório apontar que a doença chegou ao país com os capacetes azuis do Nepal, provavelmente no final de 2010, dificultando o já difícil panorama do país após o terremoto que devastou a ilha.   

Ainda segundo o documento, a recusa da ONU em reconhecer sua culpa no episódio e oferecer uma indenização "é moralmente inconcebível, legalmente indefensável e politicamente contraproducente".   

O cólera causa diarreia, vômitos e desidratação, e pode ser curado, desde que seja diagnosticado a tempo. A epidemia no Haiti poderia ter sido contida com cuidados básicos como ingestão de água tratada e higienização dos alimentos, mas as condições precárias dos mais de um milhão de desabrigados deixados pelo terremoto se tornaram um empecilho.   

(ANSA)
Veja mais notícias, fotos e vídeos em www.ansabrasil.com.br.


Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos