Cada vez mais, venezuelanos buscam nova vida no exterior

Por Milagros Rodríguez CARACAS, 22 AGO (ANSA) - Não apenas os jovens profissionais venezuelanos estão buscando imigrar em busca de novas oportunidades, mas também homens e mulheres com mais de 50 anos estão cada vez mais entre aqueles que buscam uma nova vida em outro país.   

Antonia Pérez, uma advogada de 58 anos, afirmou à ANSA que apesar de sua idade tomou a decisão porque está "cansada de passar trabalho por uma crise que nos rouba até os sonhos".   

"A situação está tão difícil, dura e triste que não há um só dia em que a angústia para comprar comida ou o medo que te matem por qualquer motivo não esteja presente", contou Pérez.   

Já o engenheiro de computação Héctor Diáz, de 50 anos, comentou que está deixando a Venezuela em busca de um futuro melhor - e com a esperança de levar os seus parentes em breve. "Estou indo porque meu país está à beira do abismo e quero sair deste governo que sequestrou todos os poderes, que nos faz passar fome e calamidade, é muito difícil", ressaltou.   

O êxodo que começou em 1984 se acentou com a chegada de Hugo Chávez ao poder e se aprofundou com os últimos meses dos seguidos anos de crise econômica e social, que faz com que a inflação na Venezuela seja, de acordo com alguns analistas locais, de 700% até o fim do ano.   

A escassez de alimentos e produtos básicos, além da insegurança - cuja taxa de homicídios no fim de 2015 era de 90 em cada 10 mil habitantes de acordo com dados da ONG Observatório Venezuelano sobre Violência - empurram o fenômeno da imigração para níveis ainda mais altos.   

Para Tomáz Páez, sociólogo e autor do livro "A voz da diáspora venezuelana", a situação se agravou muito com a escassez "de tudo". "O governo não entendeu que devastou o país, que não há mais nada em pé, que destruiu a maior receita da história da Venezuela e que é impossível apoiar uma nação cheia de fome, mortos e misérias", destacou.   

Segundo Páez, cerca de dois milhões de venezuelanos (que representam 7% da população do país) estão morando fora da nação. "Temos venezuelanos em mais de 90 países, mas quantas pessoas querem sair agora? Não sei, mas há indicadores nas filas de embaixadas, de gente que quer levar seus pais embora porque não há mais remédios", disse ainda o sociólogo.   

Estados Unidos, Espanha, Itália, Portugal, México, Chile, Argentina e Equador são os destinos mais escolhidos pela crescente onda de emigrantes venezuelanos. (ANSA)
Veja mais notícias, fotos e vídeos em www.ansabrasil.com.br.


Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos