Inabilidade política gera debate antes de voto sobre Dilma

SÃO PAULO, 31 AGO (ANSA) - A bancada do PT no Senado ameaça não assinar a sentença de julgamento de impeachment da presidente Dilma Rousseff caso ela seja inabilitada de assumir quaisquer cargos públicos nos próximos oito anos.   


O ex-presidente e senador Fernando Collor, que sofreu impeachment em 1992, se opôs a proposta de defesa de Dilma de "separar" as sanções. Collor relembrou de seu próprio julgamento e destacou que a Constituição prevê que o impeachment tenha como consequência a perda de mandato e inabilitação política.   


O ex-mandatário ainda argumentou que, em 1992, ele também não queria perder seus direitos políticos, mas que respeitou a legislação.   


Collor destacou que a lei é a mesma e alertou para o perigo de serem aplicados "dois pesos e duas medidas".   


"Naquele momento eu tentava não ter meus direitos políticos suspensos e minha inabilitação, mediante um instrumento absolutamente legal, a carta da renúncia", apontou, acrescentando que "agora se quer dar uma interpretação fatiada à Constituição". (ANSA)
Veja mais notícias, fotos e vídeos em www.ansabrasil.com.br.



Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos