Mídia internacional repercute 'fim de era' Dilma Rousseff

SÃO PAULO, 31 AGO (ANSA) - A imprensa internacional deu um grande destaque a destituição da presidente Dilma Rousseff pelo Senado nesta quarta-feira (31) e o juramento do novo mandatário, Michel Temer.   


O jornal norte-americano "The Washington Post" informou que o Senado votou com maioria "esmagadora" pela saída de Dilma, sendo o ponto final de "um longo processo que dividiu o país". O "The New York Times" citou que os senadores brasileiros "expulsaram" a então presidente "O Senado cassou Dilma Rousseff, primeira mulher presidente do Brasil, e a tirou do escritório para o resto do seu mandato, a pedra angular de uma luta de poder que consumiu a nação durante meses e derrubou um dos mais poderosos poderosos partidos políticos do hemisfério", ressaltou.   


O italiano "La Repubblica" explicou para seus leitores sobre a votação desta quarta-feira e disse que "Rousseff deixa assim definitivamente o cargo e a principal economia latino-americana, que muda de líder: Michel Temer assumirá como o 37º presidente da República brasileira".   


O "Corriere della Sera" ressaltou a votação e a manutenção dos direitos políticos de Dilma e lembrou que Temer "guiará o Brasil até o fim de 2018, quando ocorrerão as próximas eleições presidenciais".   


O site do jornal britânico "The Guardian" fez um série de matérias para explicar todo o processo de impeachment e disse que "a primeira mulher presidente do Brasil" foi afastada e pôs fim "aos 13 anos do poder do Partido dos Trabalhadores".   


Já o francês "Le Monde" citou que o julgamento final "foi uma maratona de dezenas de horas de debate técnico e apaixonado" e fez um perfil de Michel Temer, destacando que ele é "tão impopular quanto sua antecessora" e citando que a posse terá que "ser rápida" porque ele viajará para a China para participar do G20.   


Com o título de "Dilma deposta definitivamente", o espanhol "El País" citou que a saída da presidente "culmina assim a mudança de governo mais traumática e esquizofrênica das últimas décadas".   


O jornal argentino "Clarín" destacou que "chegou ao fim uma era", lembrando o fim do ciclo dos presidentes do Partido dos Trabalhadores (PT) no Brasil.   


"Dilma Rousseff, a quarta presidente em 31 anos de democracia, foi definitivamente afastada do governo. Mesmo com os alertas realizados pela atual oposição de que está perante a um 'golpe parlamentário', 61 senadores votaram a favor de sua saída.   


Bastavam 54", disse o jornal. Com diversas matérias em sua capa, o também argentino "La Nación" afirmou que "após nove meses de um polêmico, intenso e dramático processo de impeachment, o Senado do Brasil aprovou por 61 votos a 20 a destituição". O portal ainda destacou que o país "segue em recessão" econômica e fez uma trajetória política de Dilma Rousseff. (ANSA)
Veja mais notícias, fotos e vídeos em www.ansabrasil.com.br.



Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos