O que podemos esperar do governo de Michel Temer?

SÃO PAULO, 31 AGO (ANSA) - Com o impeachment de Dilma Rousseff, o presidente Michel Temer começa nesta quarta-feira (31) a governar sem o carimbo de "interino" em sua faixa. Com dois anos e quatro meses de mandato pela frente, ele terá de lidar com um Parlamento que não demorará a cobrar seu apoio e com uma crise econômica que parece longe de terminar. Veja abaixo o que esperar do governo Temer em quatro áreas cruciais: Política - Após dois anos de crise ininterrupta em Brasília, o peemedebista terá de domar um Congresso fisiológico e fragmentado para aprovar sua agenda, que inclui matérias pouco palatáveis à população, como a reforma previdenciária. Durante seu período como interino, ele mostrou-se pouco seguro em algumas medidas, como a extinção/recriação do Ministério da Cultura.   


"Temer vai ter de ser um pouco mais assertivo e incisivo com a pauta dele. Ele tem sido muito tímido. Na verdade, não é timidez, é medo mesmo. Só que ele vai ter de mudar, agora não vai ter mais desculpa [de ser interino]", explica o cientista político André César, da CAC Consultoria, empresa baseada em Brasília.   


O desafio do substituto de Dilma será mostrar no Palácio do Planalto a mesma desenvoltura que exibiu quando foi deputado federal. "Dizem que ou você nasceu para o Legislativo, ou você nasceu para o Executivo", acrescenta César. Para ele, o grande teste para Temer será aprovar o teto dos gastos públicos. Se isso acontecer, ele deve ganhar mais solidez para governar.   


Olhando para o lado derrotado, o PT fará forte oposição ao peemedebista, mas seu encolhimento nos últimos anos deve forçar um processo de renovação. O cientista político aposta em um partido mais moderado, próximo à social-democracia europeia, que o PSDB falhou em representar no Brasil. Mas para isso será preciso também novos nomes, embora lideranças do partido insistam em ventilar o nome de Lula para as eleições de 2018.   


No meio de tudo isso, há o pleito municipal de 2016, para o qual se desenham duras derrotas para o PT, principalmente na São Paulo de Fernando Haddad. "Tem de olhar para 2018, mas não é um processo imediato. A bancada vai diminuir muito, já caiu de 2010 para 2014. Se fizer 50 deputados em 2018, vai ser muito", ressalta César.   


O impeachment também deve selar a separação - se não oficial, ao menos na prática - entre Dilma e o PT, pondo fim a um casamento que parece nunca ter sido pacífico.   


Política externa - Em pouco mais de três meses de governo interino, o Itamaraty se preocupou mais em minimizar os efeitos negativos da narrativa que acusava Temer de um golpe, com o chanceler José Serra dando respostas bastante agressivas a críticas de Venezuela, El Salvador e Unasul.   


Agora, segundo Guilherme Casarões, professor de relações internacionais da ESPM, essa preocupação deve diminuir, já que o Planalto não terá de lutar contra narrativa alguma. "Pode ser que algum país que tenha histórico favorável a Dilma não reconheça o governo, mas esse processo deve ser menos intenso agora do que foi em maio", diz o especialista.   


Diferentemente dos últimos governos, desta vez o ministro das Relações Exteriores não é um diplomata de carreira, mas sim um homem com pretensões políticas. Além disso, com o Itamaraty turbinado pela Agência Brasileira de Promoção às Exportações (Apex), Serra tentará se credenciar para as eleições de 2018.   


Para Casarões, isso tem moldado a postura do ex-governador de São Paulo no Ministério. "O Brasil está até se portando de uma forma arrogante perante os vizinhos. O fato de o chanceler uruguaio dizer que o Brasil estava tentando cooptar o Uruguai por motivos políticos pega muito mal", acrescenta o professor.   


Em meados de agosto, o ministro das Relações Exteriores do Uruguai, Rodolfo Nin Novoa, acusou Serra de prometer ajudar Montevidéu em negociações com outros países se a transferência da presidência temporária do Mercosul para a Venezuela fosse barrada.   


"O Brasil tem um papel de responsabilidade na América do Sul.   


Quando Serra adota uma posição mais brusca com a Venezuela, ele cria mais instabilidade do que controla a situação", afirma. O primeiro compromisso internacional de Temer como presidente será no próximo fim de semana, na reunião do G20 na China. Como o grupo é conhecido pelo pragmatismo, a crise política no Brasil deve passar ao largo das discussões. (Segue...)
Veja mais notícias, fotos e vídeos em www.ansabrasil.com.br.



Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos