Oposição síria apresenta plano de paz e transição de governo

DAMASCO E ISTAMBUL, 7 SET (ANSA) - Uma aliança de grupos moderados da oposição síria apresentou nesta quarta-feira (7) um plano de paz e transição política democrática para o país, mas excluiu o ditador Bashar al-Assad. O plano prevê um período de seis meses de negociação e a criação de uma entidade governamental que será responsável por supervisionar a transição e o Estado. Em 18 meses, seriam convocadas eleições parlamentares, presidenciais e municipais. Assad, que governa a Síria desde 2000, e seus aliados ficaram de fora deste processo. Ele poderia permanecer na Presidência durante os seis meses de negociações, mas, depois, precisaria entregar o poder ao governo de unidade nacional que organizaria as eleições. De acordo com o texto da proposta, todas as seitas e etnias seriam respeitadas, assim como os direitos individuais das mulheres, que receberiam uma cota de 30% para cargos públicos. O plano tem 25 páginas e foi apresentado pelo Alto Comitê de Negociações (HNC) da Síria, que engloba 30 facções políticas e militares. A proposta teve o apoio do secretário britânico de Relações Exteriores, Boris Johnson, e de representantes dos Estados Unidos, da União Europeia, dos países do Golfo e da Turquia. No entanto, é possível que o plano não seja adotado e receba críticas de Assad e da Rússia, país aliado ao regime, que também ficou de fora do texto.   

Nesta quarta-feira, a imprensa da Turquia também publicou que o presidente norte-americano, Barack Obama, pediu ajuda para uma ação conjunta em Raqqa, capital do grupo extremista Estado Islâmico (EI) na Síria. "Obama quer fazer alguma ação conjunta em Raqqa", disse o presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, ao voltar do G20 na China, onde se reuniu com o presidente norte-americano e discutiu medidas para derrotar o Estado Islâmico na Síria.   

O combate ao EI na Síria e no Iraque, países com regiões dominadas pelo grupo terrorista, é uma das prioridades de Obama.   

A atuação e expansão do EI também é relacionada ao vácuo político provocado pela guerra civil na Síria. Atualmente, o país é dominado parcialmente por forças de Assad, por grupos rebeldes, por curdos e pelo Estado Islâmico.   

Inspirada pela Primavera Árabe, a guerra civil na Síria começou em 2011 e já provocou a morte de 250 mil pessoas, além de êxodos em cidades inteiras. ONGs locais, porém, estimam que o conflito já tenha matato 470 mil civis. (ANSA)
Veja mais notícias, fotos e vídeos em www.ansabrasil.com.br.


Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos