Al-Qaeda pode ter ligação com rapto de italianos na Líbia

ROMA, 22 SET (ANSA) - O grupo terrorista Al-Qaeda pode estar envolvido com o sequestro de Bruno Cacace e Danilo Calonego, os dois italianos que foram raptados em Ghat, na Líbia, na última segunda-feira, dia 19.   

De acordo com o coronel Ahmed al Mismari, porta-voz das forças armadas líbias aliadas ao general Khalifa Haftar, o sequestro "foi realizado por um grupo criminoso, mas o modo no qual ele aconteceu lembra muito os [feitos pela] organização da Al-Qaeda". Para o site líbio "Alwasat", o militar também disse que o incidente tem a "assinatura" da facção terrorista. A teoria de al Mismari, que ainda é apenas uma hipótese, foi rebatida pelo prefeito de Ghat, Komani Muhammad Saleh, durante uma entrevista à agência de notícias "Adnkronos", na qual ele disse que "não foi a Al-Qaeda, mas sim um grupo fora da lei" que organizou e realizou o rapto.   

"Não negamos que a Al-Qaeda esteja ativa na região de Ghat e nos seus arredores, estamos cientes da sua presença, mas afirmamos com certeza que não foi ela quem raptou os dois italianos", afirmou o prefeito.   

"Temos fortes suspeitas em um grupo de criminosos ativo perto da cidade e ainda não entramos em contato com eles", contou Saleh que, no entanto, não exclui a possibilidade de que os reféns sejam entregues à Al-Qaeda no futuro.   

Já o ministro das Relações Exteriores da Itália, Paolo Gentiloni, também negou a afirmação de al Mismari. "Nós não temos conhecimento da Al-Qaeda estar por trás do sequestro de dois cidadãos italianos. É essencial deixar os investigadores fazerem seu trabalho com a máxima confidencialidade", disse o chanceler em Nova York.   

Cacace, de 56 anos, e Calonego, de 66, foram raptados na última segunda junto a um cidadão canadense por um grupo de desconhecidos armados, que pararam o carro no qual os três estavam e que ia em direção ao aeroporto local. O trio trabalhava para a empresa Con.I.Cos, da sociedade Mondovi, de Cuneo, na manutenção do aeroporto de Ghat. Até o momento, a hipótese mais trabalhada pelas autoridades italianas é que o rapto se trata na verdade de um sequestro relâmpago que acabou se complicando. No entanto, nenhum pedido de resgate ou de reivindicação do ato foi feito. (ANSA)
Veja mais notícias, fotos e vídeos em www.ansabrasil.com.br.


Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos