Protesto deixa ferido e Charlotte vive estado de emergência

NOVA YORK, 22 SET (ANSA) - O goverdador da Carolina do Norte, Pat McCrory, declarou estado de emergência na cidade de Charlotte devido aos protestos contra a morte do negro Keith Lamont Scott, em mais um possível caso de violência policial racial nos Estados Unidos.   

Pela segunda noite consecutiva, Charlotte foi palco de intensas manifestações nas ruas. Acusada de assassinar injustamente o negro, a polícia usou bombas de gás lacrimogêneo para conter o público e prendeu quatro pessoas. Uma outra pessoa foi ferida por arma de fogo e está em condições graves. As autoridades chegaram a confirmar a morte da pessoa, mas, logo em seguida, retificaram a informação. No entanto, a polícia garantiu que o tiro que atingiu a vítima não partiu dos agentes. Além do estado de emergência, o governo da Carolina do Norte pediu apoio da Guarda Nacional para conter a tensão local. Pelas imagens transmitidas por emissoras de televisão, era possível ver carros destruídos, vitrines quebradas e lojas invadidas durante os protestos.   

Scott, de 43 anos, foi o terceiro negro a ser morto a tiros por policiais norte-americanos em uma semana. Os episódios reacenderam os protestos em todo o país contra a violência racial, que desde o ano passado provoca incidentes e preocupa o governo do presidente Barack Obama.   

Charlotte é a maior cidade do estado da Carolina do Norte, com 800 mil habitantes, sendo que 35% da população é negra. (ANSA)
Veja mais notícias, fotos e vídeos em www.ansabrasil.com.br.


Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos