WikiLeaks relevará documentos antes de eleições nos EUA

BERLIM 4 OUT (ANSA) - Há 10 anos da divulgação dos primeiros documentos sigilosos, o fundador do WikiLeaks, Julian Assange, anunciou nesta terça-feira (4) que publicará semanalmente novos relatórios ao longo dos próximos três meses. Apesar de não contar o tema dos novos documentos a serem publicados, Assange disse que as revelações serão significativas para os Estados Unidos e para as eleições presidenciais de novembro.   

O australiano também fez duros comentários contra a candidata democrata à Casa Branca, Hillary Clinton, e ao vice-presidente, Joe Biden. De acordo com Assange, a dupla pediu seu assassinato e o inserimento do WikiLeaks na lista de organizações terroristas. "As nossas publicações são significativas para as eleições americanas e contêm materiais interessantes sobre as facções do poder americano", disse Assange em um vídeo que foi transmitido a Berlim, diretamente de Londres, onde está refugiado há 4 anos na embaixada do Equador.   

"Vamos publicar nas próximas 10 semanas [novos documentos].   

Temos uma programação verdadeiramente estreita para revelarmos documentos ligados às eleições nos EUA antes de 8 de novembro.   

As próximas séries incluem materiais significativos sobre guerra, armas, petróleo, Google e eleições. Iniciaremos as primeiras publicações já nesta semana", explicou. Hillary Clinton, que foi secretária de Estado no primeiro mandato de Barack Obama e pivô de um escândalo por usar seu e-mail pessoal para tratar assuntos de governo, enfrentará o magnata Donald Trump, do Partido Republicano, nas eleições do mês que vem. Há poucas semanas, os dois apareciam tecnicamente empatados nas pesquisas de intenção de voto, mas, hoje, a democrata voltou a abrir vantagem. De acordo com uma sondagem publicada pela rede NBC, Hillary tem 46% das intenções de voto, com 6 pontos percentuais a mais que Trump. Assange já divulgou uma série de documentos diplomáticos americanos, como alguns sobre Guerra do Iraque, que provocaram embaraços no governo e em seus aliados. Ele é acusado de estupro na Suécia, mas teme ir ao país responder pelo processo e acabar sendo extraditado aos EUA, onde pode ser condenado por espionagem e enfrentar prisão perpétua. Assange também fez hoje um balanço das atividades do WikiLeaks e contou que, em uma década de atuação, o site revelou em média 3 mil documentos por dia e 10 bilhões de palavras, no total. (ANSA)
Veja mais notícias, fotos e vídeos em www.ansabrasil.com.br.


Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos