Iraque começa ofensiva para retomar Mosul do Estado Islâmico

ROMA, 17 OUT (ANSA) - Mais de 30 mil tropas do exército iraquiano, das forças antiterroristas do país, dos peshmerga (exército curdo no Iraque) e das milícias pró-governamentais começaram nesta segunda-feira, dia 17, uma ofensiva militar para libertar a cidade de Mosul do Estado Islâmico (EI, ex-Isis).   

A notícia foi anunciada em uma emissora estatal iraquiana pelo primeiro-ministro do país, Haidar al Abadi. "A hora de vencer chegou e as operações para libertar Mosul começaram", disse o premier.   

A investida para reconquistar Mosul é a maior operação militar do Iraque desde que as tropas norte-americanas se retiraram do território em 2011 e, se for realizada com sucesso, será o golpe mais duro ao grupo terrorista até o momento.   

Segundo a "Al Jazira", nas primeiras quatro horas de ofensiva, as forças curdas dos peshmerga já reganharam o controle de ao menos três vilarejos da região. No entanto, elas não entrarão em Mosul, deixando esta tarefa apenas para o exército iraquiano para não aumentar tensões no país, de acordo com Kifah Mahmud Karim, conselheiro do presidente da região autônoma do Curdistão iraquiano, Massud Barzani.   

A operação deve durar "provavelmente semanas e talvez ainda mais", explicou o general Stephen Townsend, comandante das forças conjuntas norte-americanas que estão no Iraque para ajudar a libertar Mosul. "Esta deve se revelar uma batalha longa e difícil, mas os iraquianos estão preparados e nós estamos com eles", afirmou Townsend. A Organização das Nações Unidas também já falou sobre a ofensiva e se disse "extremamente preocupada" com os cerca de 1,5 milhão de civis que vivem na cidade.   

Segundo o responsável da ONU pelas atividades humanitárias, Stephen O'Brien, a instituição teme que "milhares [de pessoas] poderão se encontrar sob o cerco" das tropas governamentais ou se transformar em "escudos humanos" nas mãos do Estado Islâmico.   

O'Brien também fez um apelo "a todas as partes de respeitar as suas obrigações de proteger os civis com base nas leis humanitárias internacionais".   

Já a organização "Save the Children" afirmou que "não existem" rotas seguras para que as famílias consigam escapar do conflito e disse que os moradores da região foram recomendados a erguer uma bandeira branca nas suas casas para ficarem m pouco mais seguros, explicou o porta-voz da ONG, Ruairidh Villar. (ANSA)
Veja mais notícias, fotos e vídeos em www.ansabrasil.com.br.


Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos