Há 5 anos, ETA anunciava cessar-fogo na Espanha

Por Mónica Uriel MADRI, 20 OUT (ANSA) - Há exatamente 5 anos, o grupo separatista basco ETA declarou o cessar definitivo da violência por sua parte na Espanha. No dia 20 de outubro de 2011, três homens encapuzados leram um comunicado que anunciava o fim das hostilidades no país.   

Na época, quem governava a nação europeia era o premier socialista José Luis Rodríguez Zapatero que, dois meses depois, entregou o cargo para o conservador Mariano Rajoy, vencedor das eleições daquele ano.   

Desde então, o primeiro-ministro espanhol pede à organização terrorista que seus participantes entreguem suas armas, enquanto o grupo quer que o governo coloque um fim na dispersão de seus presos em presídios distantes, majoritariamente fora do País Basco.   

Atualmente, 355 membros do ETA se encontram presos, sendo que 99% deles estão em prisões distantes de suas casas. Essa política penitenciária do governo gera críticas não apenas do próprio ETA, mas também da maioria dos partidos políticos da região basca.   

"Trata-se de um castigo direcionado também aos familiares, que não são responsáveis pelos atos dos presos", disse Iñigo Iturrate, do Partido Nacionalista Basco (PNV). "Já que o ETA não mata mais, já não faz sentido essa política de distanciamento e dispersão dos presos", também comentou o socialista José Antonio Pastor.   

Além disso, calcula-se que hoje em dia a organização seja formada por 20 membros e que tenha um arsenal de ao menos 150 armas, que estariam na França.   

Essa é a hipótese mais aceita já que, ainda neste mês, as polícias francesa e espanhola encontraram armas no norte de Paris em uma operação que foi criticada por pessoas ligadas ao ETA por impor "obstáculos à vontade manifestada pelo grupo de não fazer mais uso os armamentos". Sobre o assunto, o PNV disse que "o processo de desarmamento deve se basear em um compromisso unilateral do ETA e assim andar para frente" e que a sua "paralisação, o não caminhar, é dar oportunidades para um fim organizado pela violência".   

Na Câmara dos Deputados de Madri, os partidos foram incapazes nesta quinta-feira (20) de concordar entre si e assim aprovar uma declaração institucional sobre o quinto aniversário do fim da violência do ETA.   

O texto proposto afirmava que a "Câmara dos Deputados manifesta a sua satisfação por um presente de convivência, em memória e em homenagem a todas as vítimas do terrorismo".   

No entanto, o partido Bildu, herdeiro do braço político do ETA, se disse contrário, por exemplo, ao uso da palavra "terrorismo" na frase por que queria que a proposta se referisse "a todas as vítimas" da violência e não só as de um dos lados, disse um porta-voz do partido. (ANSA)
Veja mais notícias, fotos e vídeos em www.ansabrasil.com.br.


Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos