Pela 1ª vez, EUA se abstém em votação sobre embargo a Cuba

NOVA YORK, 26 OUT (ANSA) - Pela primeira vez em 25 anos, os Estados Unidos optaram por se abster em uma votação da Assembleia Geral das Nações Unidas sobre o embargo econômico a Cuba nesta quarta-feira (26).   

Como era previsto, a resolução condenou com ampla maioria a medida adotada pelos norte-americanos e que só pode ser retirada se o Congresso do país permitir. Foram 191 votos condenando o embargo e duas abstenções - dos EUA e de Israel, que sempre segue o voto dos norte-americanos no caso. Nos outros anos, Washington e Israel sempre votavam "não".   

"Hoje, os Estados Unidos vão se abster. A decisão é motivada pelo novo curso das relações entre Washington e Havana, inauguradas pelo presidente Barack Obama", disse a embaixadora norte-americana na ONU, Samantha Power, sob muitos aplausos dos diplomatas presentes no Palácio de Vidro.   

Segundo a representante, "a política de isolar Cuba não funcionou". Porém, Power ressaltou que a abstenção no voto não significa que seu governo esteja de acordo com todas as políticas adotadas pelo governo da ilha. "Estamos profundamente preocupados pelas graves violações de direitos humanos que o governo de Havana continua a cometer", ressaltou.   

Cuba e Estados Unidos estão, desde dezembro de 2014, em um processo de reatar as relações diplomáticas. Obama e Raúl Castro já se comprometeram em realizar uma série de avanços na relação, mas o embargo econômico, que vigora desde a década de 1960, só pode ser retirado pelo Congresso. Como a Casa tem maioria republicana, Obama não conseguiu fazer com que os parlamentares retirassem a medida. (ANSA)
Veja mais notícias, fotos e vídeos em www.ansabrasil.com.br.


Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos