Série de terremotos deu duro golpe na gastronomia italiana

ROMA, 03 NOV (ANSA) - Queijos, presuntos, vinhos e até lentilhas. Além de matar quase 300 pessoas e deixar centenas de construções destruídas, a série de terremotos na região central da Itália, iniciada em 24 de agosto, deu um duro golpe na produção de algumas das excelências gastronômicas mais famosas do país.   

O último deles, que devastou a cidade de Norcia, de apenas 5 mil habitantes, provocou danos severos a produtores do famoso presunto cru local. "Não sobrou absolutamente nada, perdemos tudo, precisamos de água e abrigos para os animais", disse ao jornal "la Repubblica" a fabricante Valentina Fausti, que já serviu seus embutidos até na Casa Branca.   

Com indicação geográfica protegida (IGP), o prosciutto di Norcia é feito em apenas cinco municípios: Norcia, Cascia, Preci, Poggiodomo e Monteleone di Spoleto, todos na região onde foi registrado o epicentro do tremor de 30 de outubro.   

O presunto cru é produzido sempre em uma altitude superior a 500 metros e com condições climáticas que são parte integrante de todo o ciclo. Outras estrelas locais prejudicadas pelos sismos são os salames de fígado e as linguiças de javali, que ajudaram a dar à cidade o apelido de "capital dos embutidos".   

Ainda em Norcia, mas no distrito de Castelluccio, quem está ameaçada é a plantação de lentilhas, que também têm IGP. O vilarejo está a apenas 29 km do centro da cidade, em cima de uma colina rodeada por vales, e quase sumiu do mapa.   

Os campos ao seu redor são conhecidos há séculos pelo plantio de lentilhas, cultivadas em quantidade limitada e que não precisam ser tratadas para conservação. Após o tremor, muitos agricultores não sabem como será o futuro e nem quando poderão voltar a morar em Castelluccio.   

Situação parecida vive Amatrice, a cidade mais atingida pelo tremor de 24 de agosto, o mais mortal de todos em 2016, com 298 vítimas. O município é o berço do macarrão à matriciana, feito com guanciale e queijo pecorino, dois ícones da gastronomia italiana.   

Os animais não foram muito afetados pelo terremoto, mas pequenos produtores se viram de repente sem casa e sem lugares para abrigar os bichos ou armazenar a bochecha de porco e o célebre queijo de ovelha, também ingrediente indispensável do molho carbonara.   

Além disso, um dos principais pilares da economia local era o turismo, que desabou junto com boa parte das construções de Amatrice. Para que as formas de queijo não se acumulem devido à falta de clientes, existe até uma campanha para incentivar a compra de pecorino.   

Já na província de Macerata, atingida pelo sismo de 30 de outubro, viticultores quase perderam 2 mil garrafas do Verdicchio de Matelica, eleito pela revista "Gambero Rosso" como o melhor vinho branco italiano. Como os depósitos dos produtores não contam com proteção contra abalos, quase foram ao chão com o tremor, mas acabaram escapando. "Descobrimos às nossas custas que os reservatórios também precisam ser antissísmicos", disse o enólogo e assessor de Agricultura de Matelica, Roberto Potentini.   

E a lista não para por aí: do presunto amatriciano à mortadela de Campotosto, do queijo de Sogliano à trufa negra de Norcia, são inúmeros os produtos artesanais ameaçados pelos terremotos dos últimos dois meses na região central da Itália. O que mostra que os tremores não atingiram apenas o coração geográfico do país, mas também seu coração gastronômico. (ANSA)
Veja mais notícias, fotos e vídeos em www.ansabrasil.com.br.


Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos