Abstenção preocupa na véspera de eleições nos EUA (2)

SÃO PAULO, 7 NOV (ANSA) - CONTINUAÇÃO - Abstenções pelo mundo: O professor de sociologia ainda acrescentou que a abstenção tem se tornado um problema de diversas sociedades e muitos países pelo mundo. Para Baptistini, isso tem a ver com o fato de que as pessoas estão cada vez mais preocupadas consigo mesmas e sem se preocuparem com sistemas públicos que atinjam a todos. "Acabamos deixando o destino comum em segundo plano e deixado decidir e deliberar os temas com destino do bem comum por grupos de interesses particulares, pouco comprometidos de fato com o interesse comum, com o bem coletivo e nós chegamos aonde estamos hoje: nunca produzimos tanta riqueza, mas ao mesmo tempo, nós produzimos tanta pobreza", destacou à ANSA.   

A fala de Baptistini encontra confirmação nos números. Os europeus protagonizaram uma enorme abstenção nas eleições europeias de 2014, que registraram a menor participação da história, com apenas 42,5% de votos. Além disso, partidos de extrema-direita, com discursos anti-imigração, tem ganhado força em quase todos os países europeus.   

No Brasil, as eleições municipais para o segundo turno tiveram as maiores abstenções dos últimos pleitos ficando em 21,6% do eleitorado - sete milhões de pessoas. No primeiro turno, o índice tinha sido maior que em 2012, ficando em 17,5%. Já quando o assunto é presidencial, quase 20% dos brasileiros optaram por não votar.   

Na América Latina, o fenômeno não se reflete apenas no Brasil.   

As últimas eleições municipais no Chile, que conta com o sistema de voto facultativo, 64% dos chilenos não compareceram às urnas, no maior número de abstenções desde a volta da democracia, no ano de 1990.   

Já quando o assunto foi referendo, as abstenções também foram marcantes. Quando os britânicos precisaram optar por ficar ou sair da União Europeia, o chamado "Brexit", 26% deles não foram às urnas e o resultado foi considerado uma derrota para a Europa. Na Colômbia, 63% dos eleitores optaram por não ir às urnas expressar se apoiavam ou não o acordo de paz com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) e o "não" venceu por uma margem de apenas 60 mil votos.   

De acordo com os especialistas, isso é causado pela crise nas instituições democráticas. Teixeira aponta que"apesar disso não ser uma crise de confiança na democracia, mas é muito mais, nas instituições e especialmente nas instituições políticas", o desinteresse das pessoas ainda não representa um risco à democracia ocidental "mas isso pode se deteriorar mais ao longo do tempo".   

Baptistini segue a mesma linha e alerta para o perigo de líderes "populistas e verdadeiros demagogos" surgirem na esteira dessa descrença com os atuais sistemas democráticos. "Nós temos visto aparecerem no mundo, líderes populistas, verdadeiros demagogos, que dão solução de força ou soluções fracas para problemas complexos porque, de fato, os problemas que nós enfrentamos, não são problemas que serão resolvidos por um partido ou por um homem. Eles dependem de todos nós. Eles acabam nos conduzindo a impasses ainda maiores do que aqueles que eles pretendem resolver", destaca.   

Já Teixeira ressalta que esse tipo de discurso populista "pode começar a cortar muitos direitos". "Na Europa, há um discurso muitas vezes xenófobo, que coloca em risco não apenas imigrantes, mas também minorias. Eu acho que não dá pra negligenciar isso, deve-se dar a devida importância, e sobretudo dar respostas às questões que levam a sociedade a buscar esse tipo de resposta e de saída", acrescenta.   

E essa saída, segundo Baptistini, passa pela educação dos mais jovens. "Essa formação tem que colocar o público acima do interesse individual. Tem que colocar o longo prazo acima do curto prazo. Tem que colocar grandes temas da humanidade acima do ganhar dinheiro. Como isso é muito difícil, só me resta o ceticismo", finaliza. (ANSA)
Veja mais notícias, fotos e vídeos em www.ansabrasil.com.br.


Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos