Perante 70 mil fiéis, Papa encerra Jubileu da Misericórdia

CIDADE DO VATICANO, 20 NOV (ANSA) - Perante 70 mil pessoas e delegações oficiais de todo o mundo, o papa Francisco encerrou o Ano Santo Extraordinário da Misericórdia, também conhecido como Jubileu, neste domingo (20).   

Após uma oração silenciosa, o ato final de um dos mais importantes eventos católicos foi o fechamento da Porta Santa da Basílica de São Pedro. Assim como ocorreu no dia 8 de dezembro de 2015, quando o Jubileu foi iniciado oficialmente no Vaticano, houve uma procissão de religiosos pelo local.   

Na solenidade, batizada de "Cristo Rei do Universo", o Pontífice fez uma reflexão sobre tudo que Jesus Cristo dá ao mundo e o seu sofrimento ao ser pregado em uma cruz, em uma postura "muito distante" da figura de um rei.   

Segundo Jorge Mario Bergoglio, Cristo "não cede à tentação de descer da cruz", demonstrando seu próprio poder contra a tentação de que "prevaleça o eu com sua força, com sua glória e com seu sucesso".   

"É a tentação mais terrível, a primeira e a última do Evangelho.   

Mas, perante a isso, ao ataque do próprio modo de ser, Jesus não fala e não reage. Não se defende, não tenta convencer, não faz uma apologia ao seu reinado. Somos chamados a lutar contra essa tentação, a olhar a sua postura no Crucifixo para nos tornar sempre mais fiéis", disse o Papa.   

Continuando seu pensamento, Francisco ressaltou que "quantas vezes, ao invés disso, também entre nós, procuramos as seguranças oferecidas pelo mundo. Quantas vezes somos tentados a deixar a nossa cruz".   

"A força de atração do poder e do sucesso é baseada em um caminho fácil e rápido para difundir o Evangelho, esquecendo-se rapidamente de como funciona o reino de Deus. Este Ano da Misericórdia nos convidou a redescobrir a centralidade e a retornar ao essencial", falou aos fiéis.   

Lembrando da função missionária da Igreja, o sucessor de Bento XVI pediu para que os fiéis "renunciem" aos hábitos que podem por obstáculos no serviço ao reino de Deus, encontrando uma "reorientação no perene e humilde reinado de Jesus".   

O Santo Padre ainda falou sobre as milhares de Portas Santas que foram instituídas em dioceses de todo o mundo, como forma de marcar o Jubileu, e destacou que "muitos peregrinos passaram pelas Portas e sentiram a grande bondade do Senhor".   

"Agradecemos por isso e nos lembramos que fomos tomados pela misericórdia para nos tornarmos instrumentos da misericórdia", destacou.   

Em um dos momentos mais marcantes de sua homilia, o líder da Igreja Católica lembrou que Jesus deixa todos serem "livres" e falou sobre o paradoxo da cruz.   

"De verdade, o reino de Jesus não é desse mundo. Ele é um rei sem poderes e sem glória e na cruz parece mais um vencido do que um vencedor. O seu reinado é paradoxal. É um Rei que se empenhou para abraçar e salvar todas as pessoas. Ele não nos condenou, sequer nos conquistou porque nunca violou nossas liberdade. Fez sua estrada com um amor humilde, que perdoa tudo, que tudo espera, tudo suporta. Ele venceu e continua a vencer os nossos grandes adversários: o pecado, a morte, o medo", afirmou.   

- Jubileu: Tradicionalmente, o jubileu acontece a cada 25 anos. O último foi em 2000, portanto, o próximo deveria ser apenas em 2025.   

Contudo, um Pontífice pode convocar tal celebração por razões extraordinárias, no caso, a misericórdia. A medida tem como objetivo motivo pedir que os fieis façam uma reflexão sobre a importância da misericórdia, mostrando uma face mais humana da Igreja Católica, como Francisco tem feito durante todo seu papado.   

O Jubileu é um período no qual a Igreja Católica concede graças espirituais aos fiéis, como a expiação dos pecados. Segundo a tradição, esse é um tempo em que é mais fácil para o cristão alcançar as bênçãos de Deus. Ele também é uma espécie de chamado para que os que estão afastados da fé retomem sua vida religiosa. Porta santa - A celebração será encerrada com a abertura de uma grande porta de bronze na basílica de São Pedro, através da qual calcula-se que mais de 10 milhões de peregrinos vão passar ao longo do ano. Em 29 de novembro, o Papa abriu a porta santa da catedral de Bangui, na República Centro-Africana (RCA), iniciando o ano de forma simbólica o ano santo. - Delegações oficiais: Além dos fiéis, participaram da cerimônia de encerramento do Jubileu autoridades de diversos países do mundo. Da Itália, estiveram presentes o presidente, Sergio Mattarella, e o primeiro-ministro, Matteo Renzi. O Pontífice, aliás, agradeceu o apoio que recebeu do governo italiano durante o quase um ano de evento.   

Do Brasil, o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, esteve presente na celebração. Além disso, participaram membros dos governos da República Centro-Africana, onde o Papa abriu a primeira Porta Santa antes do início oficial do Jubileu, da Espanha, da Bélgica, do México, da Venezuela, da Malásia e da Síria. (ANSA)
Veja mais notícias, fotos e vídeos em www.ansabrasil.com.br.


Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos