Brasil teve maior número de votantes pelo 'sim' em referendo

SÃO PAULO, 5 DEZ (ANSA) - A deputada ítalo-brasileira Renata Bueno analisou a vitória do "não" no referendo constitucional na Itália neste domingo (4) e destacou que o Brasil foi o local de votação onde mais italianos se demonstraram favoráveis às mudanças - derrotadas na votação total.   

Segundo Bueno, 84% dos italianos que moram no Brasil aprovavam a mudança na Constituição e 95% dos que votaram eram brasileiros com dupla cidadania. Os números ainda não foram confirmados pela Embaixada. No entanto, contabilizando todos os votos, o "não" venceu com 59,11%.   

Para ela, essa diferença no posicionamento tem a ver com o perfil de cada país. "Para mim, foi comprovada minha visão de que temos pontos de vista totalmente diferentes, já que nós, italianos que vivemos no exterior, vemos tantos pontos positivos na Itália, a importância do país no mundo, e, às vezes, quem mora lá, não consegue ver isso", destaca a deputada à ANSA.   

Bueno ainda ressalta que o momento vivido pela sociedade brasileira também reflete a simpatia dos italianos que moram aqui pela reforma constitucional proposta pelo premier Matteo Renzi.   

"O Brasil vive um momento de mudança e os italianos que moram aqui se identificaram com essa grande modernização política. Já os italianos de lá, apesar de serem muito politizados, são muito conservadores e podem ter ficado com medo de dar um voto de confiança ao governo", ressalta.   

Para Bueno, um dos problemas para a derrota do governo nas urnas foi a "personalização" do voto sobre Renzi. "Desde o princípio, Renzi foi muito determinado e disse que faria reformas. Ele sempre foi muito determinado e fazia política de maneira diferente das forças tradicionais, sem fazer acordos ou conchavos. Por causa disso, ele criou muita reação contra ele - até mesmo dentro de seu partido", disse à ANSA. Renzi anunciou a renúncia logo após a confirmação de que havia sido derrotado pelas urnas.   

Sobre as questões que envolvem a Itália e a União Europeia, Bueno pregou cautela neste momento e disse que essa não é um nova onda parecida com o Brexit - a saída do Reino Unido do bloco econômico.   

"Temos que ter muito cuidado neste momento sobre a forma que queremos o novo governo. Temos que ter um governo que seja coerente tanto com a União Europeia, mas mais ainda com os valores e princípios que sempre tivemos. Temos que ter sensibilidade neste momento", finalizou Bueno. (ANSA)
Veja mais notícias, fotos e vídeos em www.ansabrasil.com.br.


Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos