Renzi apresenta pedido de renúncia à Presidência (2)

ROMA, 7 DEZ (ANSA) - Após o adiamento por alguns dias, o primeiro-ministro italiano, Matteo Renzi, entregou nesta quarta-feira (7) seu pedido formal de renúncia ao presidente Sergio Mattarella. Os dois líderes se reuniram por cerca de 45 minutos na sede do governo italiano em Roma.   

Segundo o secretário-geral da Quirinale, Ugo Zampetti, as consultas da Presidência para a formação do novo governo italiano serão iniciadas amanhã (8), a partir das 18h (15h no horário de Brasília). Esse é o primeiro passo formal de Mattarella para a tentativa de formar um novo governo e não convocar eleições diretas rapidamente.   

- A renúncia: O primeiro-ministro decidiu renunciar após a população rejeitar, por um placar de 60% a 40%, sua reforma constitucional no referendo do último domingo (4). Renzi apostou todo o seu capital político no projeto, que reduzia o tamanho do Senado e promovia uma série de mudanças na Constituição italiana. Na segunda-feira (5), o premier reuniu seu gabinete no Palácio Chigi, também em Roma, e agradeceu a seus ministros "pela colaboração e pelo espírito de equipe demonstrado nesses anos de governo. Em seguida, como manda o protocolo, se dirigiu ao Quirinale para entregar a carta de renúncia. No entanto, após um pedido de Mattarella, Renzi permaneceu no cargo para que o fosse aprovada a lei orçamentária para 2017 no Senado. Caso não houvesse aprovação até o fim deste ano, ela deixaria a Itália estagnada e sem poder fazer os gastos necessários do governo.   

O projeto, então, foi submetido ao chamado "voto de confiança", que faz com que o texto seja aprovado da maneira que foi apresentado, sem a possibilidade de adicionar emendas ou retirar partes da lei. Com isso, ele foi aprovado na manhã de hoje por 173 votos a favor e 108 contra. Mais tarde, ao presidir pela última vez a reunião de sua sigla, o Partido Democrático (PD), como premier italiano, Renzi propôs duas soluções para o período pós-renúncia: ou fazer um governo "de responsabilidade" nacional com representantes de todas as forças políticas ou convocar novas eleições rapidamente.   

"Somos o partido que tem a maioria. Precisamos dar uma mão ao presidente da República a encerrar a crise [do governo] na modalidade que ele escolherá", disse ainda aos membros do PD.   

Nos casos de renúncia de um premier, a decisão final é sempre do presidente da República, que pode aceitar o pedido e iniciar consultas para formar um novo governo, dissolver o Parlamento e convocar eleições ou até mesmo manter o premier para um gabinete de objetivo definido. (ANSA)
Veja mais notícias, fotos e vídeos em www.ansabrasil.com.br.


Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos