Tunisiano pega 18 anos de prisão por naufrágio que matou 700

CATÂNIA, 13 DEZ (ANSA) - O Tribunal de Catânia, no sul da Itália, condenou nesta terça-feira (13) o tunisiano Mohamed Ali Malek, 27, a 18 anos de prisão por conta do naufrágio de 18 de abril de 2015 com um barco lotado de imigrantes, que teria deixado mais de 700 mortos.   

Malek, que era o capitão da embarcação, foi sentenciado por favorecimento à imigração clandestina, múltiplo homicídio culposo e naufrágio. Seu assistente, o sírio Mahmud Bikhit, 25, pegou cinco anos de cadeia. Ambos alegam que eram apenas passageiros do barco.   

A embarcação havia partido da Líbia, que fica a menos de 300 km da Itália pelo mar Mediterrâneo. Por conta disso, a península é considerada a principal porta de entrada para imigrantes clandestinos na Europa.   

No entanto, o barco naufragou no Canal da Sicília, e apenas 28 pessoas sobreviveram. É com base no relato desses indivíduos que chegou-se à estimativa de 700 mortos, já que até hoje os corpos das vítimas não foram recuperados. Se a cifra for confirmada, esse terá sido o pior desastre do tipo no Mediterrâneo desde o fim da Segunda Guerra Mundial.   

Malek e Bikhit foram os únicos detidos por causa do naufrágio.   

Segundo a acusação, a tragédia foi provocada pela superlotação da embarcação e pelas manobras "erradas" realizadas pelo tunisiano, que a levaram a colidir contra um pesqueiro que havia se aproximado para socorrer os imigrantes.   

Segundo o projeto "Missing Migrants" ("Imigrantes Desaparecidos"), da Organização Internacional para as Migrações (OIM), mais de 4,7 mil pessoas já morreram na travessia do Mediterrâneo apenas em 2016. (ANSA)
Veja mais notícias, fotos e vídeos em www.ansabrasil.com.br.


Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos