Ministro ganha boneca inflável e causa polêmica no Chile

SANTIAGO DO CHILE, 15 DEZ (ANSA) - O ministro da Economia do Chile, Luis Felipe Céspedes, recebeu de presente uma boneca inflável de um grupo de exportadores, o que desencadeou uma série de críticas da população do país.   

A boneca nua carregava um cartão na boca com a mensagem: "Para estimular a economia", em referência à desaceleração pela qual passa a economia chilena. O brinquedo sexual foi entregue na última terça-feira (13) durante um evento pela Associação de Exportadores de Manufaturas e Serviços (Asexma) que anualmente dá presentes estranhos a ministros. No entanto, a "brincadeira" causou uma enorme polêmica e retomou a discussão sobre a valorização da mulher. Em seu perfil no Twitter, a presidente chilena, Michelle Bachelet, escreveu que "o ocorrido na ceia de Natal organizada pela Asexma não pode ser tolerado".   

"A luta pelo respeito à mulher tem sido um princípio em meus dois governos", ressaltou Bachelet.   

Em resposta, o presidente da organização, Roberto Fantuzzi, tentou se redimir. "Tenho esposa, filhas e neta, jamais teria intenção de provocar violência contra a mulher", disse.   

"Se ofendi alguém, quero pedir desculpas. Isto se faz em um comitê, não são apenas minhas ideias, também há mulheres participando. E se eu realmente cometi um erro, tudo que posso fazer é pedir perdão, perdão, perdão", acrescentou.   

Em declaração à imprensa, Céspedes, que recebeu o presente sorrindo, pediu desculpas pelo inconveniente. "Me pegou de surpresa e minha reação não foi adequada", disse ele.   

Céspedes ainda recebeu um telefonema da ministra da Mulher e da Igualdade de Gênero, Claudia Pascoal. "Rejeitamos e condenamos toda situação na qual nosso país continue usando a mulher como objeto sexual", disse à imprensa.   

O Movimento pelos Direitos Sexuais e Reprodutivos (Miles) chamou de "sexista e misógino" o "espetáculo com a boneca inflável". "A Asexma entregou a boneca ao ministro porque a seu juízo, a economia é como as mulheres, que precisam ser estimuladas", declarou.   

Nas redes sociais, os chilenos consideraram o presente totalmente machista e criticaram a "brincadeira" das autoridades. Nos últimos meses, o país tem registrado diversas manifestações para protestar contra a violência machista enraizada na cultura popular. Assim como em outros países da América Latina, o Chile enfrenta constantemente casos de feminicídios. Segundo organizações de defesa das mulheres, quase 50 chilenas foram assassinadas e mais de 100 sofreram ataques graves em 2016. (ANSA)
Veja mais notícias, fotos e vídeos em www.ansabrasil.com.br.


Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos