'Aylan' de Myanmar, foto de bebê morto choca o mundo

ROMA, 5 JAN (ANSA) - Assim como ocorreu em setembro de 2015, quando a foto do menino sírio Aylan Kurdi, de três anos, morto em uma praia turca chocou o mundo e alertou para o problema da crise migratória, uma nova imagem vem chocando e comovendo.   

Dessa vez, trata-se do pequeno bebê Mohammed Shohayet, 16 meses, que pertence à etnia rohingya e que estava fugindo com sua família de policiais de Myanmar, acusados constantemente de promover uma "limpeza étnica" no país.   

Enquanto a família tentava atravessar o rio Naf, na fronteira entre Myanmar e Bangladesh, houve um naufrágio em que morreram o pequeno Mohammed, sua mãe, seu irmão de três anos e um tio.   

Apenas o pai sobreviveu. Em entrevista à "CNN", Zafor Alam, falou sobre a perda dos filhos e da esposa.   

"Quando vejo essa foto, sinto vontade de morrer. Não tem mais nenhum motivo para eu viver neste mundo", contou. Alam ainda explicou que a família fugiu de sua vila "após helicópteros dispararem contra nós e soldados de Myanmar dispararem contra nós".   

"Não podíamos ficar na nossa casa. Precisamos fugir e nos esconder na floresta. Meu avô e minha avó foram queimados vivos.   

A nossa vila foi incendiada por militares. Não sobrou nada. Nós caminhamos por seis dias. [...] Precisávamos mudar de local porque os soldados estão procurando pelos rohingya".   

Alam atravessou o rio nadando e encontrou pescadores bengaleses que o ajudaram. De lá, pediu que fosse resgatar sua família. Nesse tempo, no entanto, soldados começaram a disparar contra eles - e outros membros da etnia que estavam tentando a travessia. Quando entraram no barco apressadamente, houve excesso de pessoas e a embarcação naufragou.   

Tal qual Aylan, Mohammed foi encontrado em um terreno arenoso, de bruços e já sem vida pelos socorristas.   

O povo rohingya é perseguido em diversos países e é considerado pelas Nações Unidas uma das minorias mais perseguidas do mundo.   

Segundo dados da Organização Internacional para as Migrações (OIM), ligado à ONU, 34 mil rohingya fugiram nos últimos meses de Myanmar para Bangladesh através do rio Naf. (ANSA)
Veja mais notícias, fotos e vídeos em www.ansabrasil.com.br.


Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos