Maduro afirma que não abandonou cargo e que é alvo de golpe

CARACAS, 11 JAN (ANSA) - O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, acusou a Assembleia Nacional, com maioria da oposição, de ter feito um "manifesto irritante, nulo e golpista" ao acusá-lo de abandono de cargo.   

"Atente-se às consequências do chamado golpe de Estado que a maioria aprovou na Assembleia. Eles estão utilizando os recintos da Assembleia Nacional em desacato com a lei para promover um golpe de Estado. Assim eu os denuncio", disse o mandatário sobre o texto aprovado por 106 parlamentares.   

Segundo o presidente, a declaração aprovada no Parlamento "está copiando os diferentes golpes que durante os últimos 17 anos querem derrotar a revolução bolivariana".   

"A quadrilha da Assembleia Nacional autoriza para que haja o que eles querem: intervir na Venezuela para fazer atentados terroristas contra nosso país para buscar o objetivo que se manifesta", declarou Maduro convocando a população para "não cair nas provocações".   

Os parlamentares aprovaram o "abandono de cargo" porque consideram o mandatário como o responsável pela "completa crise socioeconômica" que atinge a nação e pela "ruptura da ordem constitucional e democrática". Com isso, eles querem pedir a convocação de eleições presidenciais imediatas. (ANSA)
Veja mais notícias, fotos e vídeos em www.ansabrasil.com.br.


Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos