Hungria desafia UE e promete prender solicitantes de refúgio

BUDAPESTE, 13 JAN (ANSA) - O primeiro-ministro da Hungria, Viktor Orbán, anunciou nesta sexta-feira (13) que o governo manterá solicitantes de refúgio sob custódia cautelar durante a tramitação de seus processos.   

Essa prática havia sido interrompida em 2013, após pressões da União Europeia e das Nações Unidas (ONU), mas o premier não mostrou preocupação quanto a possíveis críticas. "A medida vai contra as normas internacionais, anteriormente aceitas também pela Hungria. Sabemos disso, mas faremos mesmo assim", reconheceu Orbán à emissora de rádio "MR".   

Segundo o primeiro-ministro, os solicitantes de refúgio representam um "risco" para a cultura e a segurança dos húngaros e aumentam a "ameaça do terrorismo". "Na Europa, vivemos um tempo de ingenuidade e incapacidade. Aqui não terá nenhum caminhão atropelando quem festeja", acrescentou, fazendo referência aos recentes atentados em Nice, na França, e Berlim, na Alemanha.   

Na liderança do grupo Viségrad, que também inclui Eslováquia, Polônia e República Tcheca, a Hungria tem sido o maior entrave às políticas migratórias da União Europeia. Orbán promoveu um referendo para revogar o sistema de redistribuição de solicitantes de refúgio aprovado pela UE, foi derrotado e depois tentou cancelá-lo por meio de uma emenda constitucional, mas perdeu novamente.   

A postura de Budapeste já fez até o governo da Itália ameaçar barrar o próximo orçamento do bloco, que será votado em 2017, caso Orbán não acolha imigrantes. (ANSA)
Veja mais notícias, fotos e vídeos em www.ansabrasil.com.br.


Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos