FMI reduz projeções de crescimento de Brasil e Itália

NOVA YORK, 16 JAN (ANSA) - O Fundo Monetário Internacional (FMI) cortou nesta segunda-feira (16) as estimativas de crescimento da economia da Itália para 2017 e 2018.   

A entidade reduziu a previsão de alta do Produto Interno Bruto (PIB) da península neste ano de 0,9% para 0,7%, enquanto a projeção para o próximo passou de 1,1% para 0,8%. Em outubro, o FMI já havia diminuído em 0,1 ponto percentual sua estimativa para o país em 2017.   

"A Itália pode fazer mais, há espaço para agir em relação aos bancos", disse o economista-chefe do fundo, Maurice Obstfeld, fazendo referência à crise que ameaça diversas instituições financeiras italianas devido à elevada presença de créditos deteriorados em suas carteiras.   

Segundo Obstfeld, o ex-primeiro-ministro Matteo Renzi conseguiu aprovar reformas estruturais "bastante importantes", porém ainda há "muito" para se fazer. A revisão nas projeções chega no mesmo dia em que o Instituto Nacional de Estatística (Istat) confirmou que a Itália encerrou 2016 com deflação de 0,1%.   

É a primeira vez desde 1959 que o país termina o ano com queda no índice de preços, o que aponta para uma economia desaquecida.   

No entanto, em dezembro, a Itália teve inflação de 0,5% em relação ao mesmo mês de 2015, o maior valor em dois anos e sete meses.   

Brasil - Para a economia brasileira, o FMI prevê um crescimento de 0,2% em 2017, cifra 0,3 ponto percentual menor que a estimativa anterior, de outubro. Para 2018, a projeção é de expansão de 1,5%. No mundo inteiro, o fundo acredita que a evolução do PIB será de 3,4% neste ano e de 3,6% no próximo.   

Segundo o FMI, há muitas "incertezas" sobre os efeitos da chegada de Donald Trump à Casa Branca, principalmente quanto às medidas protecionistas que o republicano promete adotar. (ANSA)
Veja mais notícias, fotos e vídeos em www.ansabrasil.com.br.


Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos