Roma julgará 5 policiais por morte de jovem italiano

ROMA, 14 FEV (ANSA) - A Procuradoria de Roma irá julgar cinco policiais envolvidos na morte de Stefano Cucchi, ocorrida em 22 de outubro de 2009, informou a entidade nesta terça-feira (14).   

Os carabinieros Alessio Di Bernardo, Raffaele D'Alessandro e Francesco Tedesco serão julgados por homicídio preterintencional - quando há dolo na ação, mas ela resulta mais grave do que o esperado - e por abuso de autoridade por ter submetido Cucchi "a medidas de rigor não permitidas pela lei".   

Já Roberto Mandolini, comandante interino da delegacia Roma Appia - onde os três policiais trabalhavam à época - foi indiciado por crimes de calúnia e falso testemunho. O militar Vincenzo Nicolardi - além de Tedesco - será julgado por calúnia.   

O caso ocorrido em 2009 já teve diversas batalhas jurídicas e colocou o trabalho da Polícia em xeque.   

Em 15 de outubro de 2009, Cucchi foi flagrado em Roma com 20 gramas de haxixe e foi detido pelos carabineiros, que o levaram para a penitenciária de Regina Coeli. Sete dias após sua prisão, no entanto, o italiano morreu no hospital Sandro Pertini, para onde foi levado pelos agentes após passar mal no presídio.   

A autópsia, cujo resultado foi divulgado meses mais tarde, revelou que o geômetra, que tinha 31 anos e 1,76m de altura, pesava 37 kg quando faleceu, indicando um estado de desnutrição.   

Nas semanas seguintes, circularam notícias de que Cucchi era viciado em drogas, soropositivo e anoréxico, e tentou-se atribuir a morte a suas "frágeis" condições de saúde. Porém, foi descoberto que o rapaz estava repleto de hematomas pelo corpo, incluindo na região dos olhos, e que a família foi impedida de fazer visitas ao homem enquanto ele estava hospitalizado.   

Por causa disso, houve um primeiro julgamento sobre o caso. Seis médicos e três enfermeiros foram acusados de abandono de incapaz, e três membros da Polícia Penitenciária, de lesões agravadas e abuso de autoridade. A denúncia apontava que os carcereiros haviam usado força excessiva contra a vítima e que os agentes de saúde tinham-no deixado morrer de fome. Todos acabaram absolvidos por falta de provas. Porém, em dezembro de 2015, a Procuradoria de Roma abriu uma nova investigação sobre a morte, que incluiu a reconstituição da prisão e do tempo que o italiano ficou na cadeia.   

Com a nova autópsia, constatou-se que a vítima tinha fraturas na vértebra, inchaços e hematomas no rosto, hemorragia na pélvis e escoriações nas pernas. Para a Procuradoria, a conduta "omissa" dos médicos que cuidavam de Cucchi também contribuiu para o falecimento. (ANSA)
Veja mais notícias, fotos e vídeos em www.ansabrasil.com.br.


Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos