Governador de região italiana afetada por sismos é investigado

L'AQUILA, 16 FEV (ANSA) - O presidente da região italiana de Abruzzo, Luciano D'Alfonso, está sendo investigado por suspeita de corrupção, fraude em licitação e abuso de poder na obra para a reforma da antiga sede do governo local, em L'Aquila.   

Chamado Palácio Centi, o edifício foi danificado pelo terremoto que atingiu a capital regional em 6 de abril de 2009 e deixou 309 mortos. A licitação para sua renovação foi vencida pela Edil Costruzioni Generali, empresa da província de Isernia, mas ficou marcada por diversos atrasos e só foi realizada há alguns meses.   

Nesta quinta-feira (16), mais de 20 carabineiros, por ordem da Procuradoria da República em L'Aquila, realizaram uma operação de busca e apreensão no Palácio Silone, sede do governo de Abruzzo desde o tremor de 2009. A reforma do Palácio Centi é avaliada em 13 milhões de euros.   

"Nesta manhã, fiquei sabendo que estava em curso uma verificação das minhas ações por parte da Procuradoria da República em L'Aquila. Minha posição é absolutamente estranha a qualquer tipo de crime, e desejo a conclusão do inquérito o mais rápido possível", declarou D'Alfonso.   

Membro do centro-esquerdista Partido Democrático (PD), o mesmo do primeiro-ministro Paolo Gentiloni e do ex-premier Matteo Renzi, o governador de Abruzzo está no poder desde 2014. A região fica no centro da Itália e, além do terremoto de L'Aquila, vem sendo constantemente atingida pela série de tremores iniciada em 24 de agosto de 2016.   

Um deles, em 18 de janeiro passado, provocou uma avalanche sobre o hotel Rigopiano, na cidade de Farindola, e matou 29 pessoas.   

(ANSA)
Veja mais notícias, fotos e vídeos em www.ansabrasil.com.br.


Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos