Por que a Escócia quer sair do Reino Unido?

LONDRES E SÃO PAULO, 15 MAR (ANSA) - O anúncio da primeira-ministra da Escócia, Nicola Sturgeon, de convocar um novo plebiscito de independência do Reino Unido volta a causar tensão na Europa.   

Isso porque, como se não bastasse o turbulento período à frente com a saída do Reino Unido da União Europeia, o chamado Brexit, os britânicos poderão perder força caso os escoceses optem pela independência.   

Mas, por que convocar um plebiscito menos de três anos após um referendo semelhante? Quem defende a convocação, diz que o Brexit mudou todo o panorama daquela votação.   

Durante o pleito que determinou a saída do Reino Unido da União Europeia, ocorrido em julho do ano passado, a maioria dos escoceses optou pela permanência no bloco. Foram 62% a favor da UE e 38% contra a permanência.   

Com isso, os escoceses foram contra deixar o bloco europeu - fato completamente novo em relação ao de 2014, quando o Brexit não passava de um slogan de grupos de extrema-direita. Em 18 de setembro daquele ano, 55% dos escoceses optaram por não declarar independência do Reino Unido.   

Por outro lado, quem defende a permanência no Reino Unido afirma que não é sensato convocar um novo plebiscito de tal importância em tão pouco tempo.   

De fato, de acordo com os planos de Sturgeon, a ideia é de que o plebiscito ocorra entre o outono (do hemisfério norte) de 2018 e a primavera de 2019.   

A escolha da data não é por acaso. Durante esse período, estará sendo finalizado o processo de saída dos britânicos da UE e estará bem claro quais serão as consequências para os escoceses dessa ruptura.   

Além disso, desde 1997, os escoceses tem uma significativa independência administrativa de Londres, tendo um Parlamento local e o sistema judiciário separado - o que faz com que o país tenha um certo poder em relação ao que decide a premier britânica Theresa May.   

No momento, segundo uma pesquisa do "YouGov" publicada nesta quarta-feira (15) no jornal "Times", 57% dos escoceses afirmam não querer a independência. Já uma pesquisa do ScotCen Social Research, publicada pelo "The Scotsman" e pela "BBC" mostra que 46% dos escoceses entrevistados querem deixar o Reino Unido - o número mais alto em uma pesquisa desde 1999.   

Caso os escoceses convoquem, de fato, um plebiscito e deixem a histórica aliança com o Reino Unido, o movimento poderia se espalhar. Isso porque a Irlanda do Norte também votou pela permanência na UE em julho do ano passado.   

No entanto, o caso dos irlandeses é um pouco mais complicado porque segundo o Acordo de Belfast, assinado em 1998, que pôs fim à três décadas de conflito com a República da Irlanda, a consulta pública só pode ser feita se houver um pedido da maioria dos representantes políticos das comunidades nacionalistas e unionistas norte-irlandesas.   

Segundo historiadores, desde o século 14, Escócia, País de Gales e Irlanda do Norte falam e/ou tentam separar-se do Reino Unido. (ANSA)
Veja mais notícias, fotos e vídeos em www.ansabrasil.com.br.


Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos