Rússia defende Assad e acusa rebeldes por ataque químico

ROMA, 05 ABR (ANSA) - O governo russo acusou nesta quarta-feira (5) os rebeldes sírios de serem os responsáveis pelo ataque com armas químicas que mataram, ao menos, 72 pessoas em Khan Cheikhoun, na Síria, nesta terça-feira (4).   

Diferentemente de todos os países ocidentais, os russos informaram que a ação foi realizada por terra por esses grupos que lutam contra o governo de Bashar al-Assad. Apesar das acusações internacionais, Damasco sempre negou que tenha realizado a ação.   

No entanto, o Kremlin confirmou que um ataque feito por sua Força Aérea atingiu uma base dos rebeldes que produzia bombas com "substâncias tóxicas".   

Ainda não se sabe exatamente qual foi a arma química utilizada no ataque, mas segundo o ministro da Saúde da Turquia, Recep Akdag, "as primeiras análises indicam que foi um ataque químico", provavelmente, com gás sarin. Os hospitais turcos, próximos à fronteira com a Síria, ainda atendem dezenas de feridos da ação militar de ontem.   

Os bombardeios à região continuam ocorrendo nesta quarta, quando o Conselho de Segurança das Nações Unidas marcou uma reunião de emergência para debater os ataques na Síria.   

O território sírio está imerso em uma guerra civil há mais de seis anos, onde opositores de Assad lutam contra o governo e vice-versa. Além do conflito que se espalhou pelo país, inicialmente, por questões políticas, há ainda a forte presença de grupos terroristas, como o Estado Islâmico (EI, ex-Isis) e o Frente al-Nusra. Os primeiros chegaram a criar um "califado" em grande parte do território sírio. (ANSA)
Veja mais notícias, fotos e vídeos em www.ansabrasil.com.br.


Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos