Berlusconi deve negar presidência honorária do Milan

MILÃO, 10 ABR (ANSA) - O atual dono do Milan, Silvio Berlusconi, não estaria disposto a aceitar o cargo de presidente honorário do clube após a venda da equipe para investidores chineses, informaram fontes ligadas à negociação à ANSA nesta segunda-feira (10).   


O cargo havia sido oferecido pelo chinês Li Yonghong, que lidera a negociação de vendas. Segundo as fontes, Berlusconi ainda não tomou a decisão final, mas já explicou que deve declinar do convite por razões afetivas. Após 31 anos à frente do clube, ele afirma que é mais oportuno cortar todas as relações com sua "criatura" futebolística.   


A diretoria do Milan convocou para o dia 14 uma assembleia de sócios para, enfim, concluir a venda do clube para os chineses.   


A operação deveria ter sido fechada no ano passado, mas sofreu diversos atrasos devido à dificuldade dos compradores em levantar o dinheiro da negociação.   


Até o momento, os chineses já pagaram 250 milhões de euros em adiantamento para a holding Fininvest, da família Berlusconi, sendo que o total da venda deve ser fechado em 940 milhões de euros (sendo 740 milhões de euros pelas ações e 200 milhões para a quitação de dívidas). (ANSA)
Veja mais notícias, fotos e vídeos em www.ansabrasil.com.br.



Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos