Egito decreta estado de emergência por 3 meses após ataques

SÃO PAULO, 10 ABR (ANSA) - O presidente do Egito, Abdul Fatah al-Sisi, decretou estado de emergência pelos próximos três meses em todo o país após os ataques às igrejas coptas deste domingo (9) na nação terem matado ao menos 44 pessoas e deixado dezenas de feridos. A medida do mandatário, que precisa ser aprovada pelo Parlamento antes de ser colocada em prática, permite que prisões sejam realizadas sem que mandatos tenham sido expedidos e que qualquer moradia seja revistada. A Casa apoia em sua maioria a decisão do chefe de Estado. Segundo Sisi durante discurso à emissora de televisão, o estado de emergência irá ajudar na luta contra os jihadistas, que será "longa e dolorosa", mas que ficará mais fácil se "passos constitucionais e legais", como o que foi decretado por ele, forem adotados. A decisão do presidente egípcio, que também colocou o Exército do país em peso nas ruas para proteger, de acordo com ele, "infraestruturas importantes e vitais", já se tornou motivo de críticas e de protestos de ativistas dos direitos humanos, que dizem que o estado de emergência apenas permitirá que abusos, torturas e até execuções sejam realizados pelas forças de segurança. De acordo com a agência de notícias do grupo terrorista Estado Islâmico (EI, ex-Isis), Amaq, foram os jihadistas que realizaram os atentados. As duas igrejas que foram atacadas estavam lotadas porque neste domingo foi celebrado o Dia de Ramos para os cristãos, que inicia o calendário da semana da Páscoa. (ANSA)
Veja mais notícias, fotos e vídeos em www.ansabrasil.com.br.


Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos